Conecte-se conosco

Brasil

Protegido: Acesse aqui a versão digital desta sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Publicado

em

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Continue Lendo
Clique para comentar

Este postagem é protegida por senha. Digite a senha para ver quaisquer comentários.

Brasil

Interferência na PF: depoimento de Bolsonaro está suspenso

Publicado

em

Por

O ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu nesta quinta-feira (17) suspender o depoimento do presidente Jair Bolsonaro no inquérito que apura se ele violou a autonomia da Polícia Federal. A acusação foi feita por Sergio Moro ao pedir demissão do Ministério da Justiça em abril.

A oitiva estava marcada para entre os dias 21 e 23 de setembro. O ministro Celso de Mello havia obrigado o chefe do Executivo a depor presencialmente, mas Bolsonaro recorreu e Marco Aurélio remeteu a decisão ao plenário do STF. “Determino a suspensão da tramitação do inquérito até a questão ser submetida ao Pleno”, determinou o ministro.

Assim, fica suspensa a oitiva até que o conjunto de ministros da corte discuta o tema.

O recurso da AGU (Advocacia-Geral da União) foi encaminhado a Marco Aurélio porque Celso, que é o relator do caso, está de licença médica.

A PF intimou o presidente na quarta-feira (16) e havia dado três opções ao presidente para realização do depoimento: 21, 22 ou 23 de setembro, às 14h. Bolsonaro irá depor na condição de investigado.

Marco Aurélio afirmou que é contra a “autofagia” do tribunal e por isso não poderia reconsiderar sozinho o despacho do colega. Mas decidiu adiar o depoimento determinado por Celso:

“Considerada a notícia da intimação para colheita do depoimento entre 21 e 23 de setembro próximos, cumpre, por cautela, suspender a sequência do procedimento, de forma a preservar o objeto do agravo interno e viabilizar manifestação do Ministério Público Federal”, afirmou.

No recurso, a AGU citou o precedente do ex-presidente Michel Temer (MDB) e afirmou que Bolsonaro tem direito de depor por escrito.

O órgão que faz a defesa judicial do governo federal faz referência à decisão do ministro Luís Roberto Barroso, que permitiu a Temer prestar depoimento por escrito no inquérito dos portos.

DEPOIMENTO PRESENCIAL

Na semana passada, Celso determinou que Bolsonaro preste depoimento presencial. O procurador-geral da República, Augusto Aras, que havia pedido a apuração do caso, defendeu que o chefe do Executivo respondesse às questões por escrito.

O inquérito apura se o presidente tentou interferir no comando da PF para proteger familiares e aliados. Bolsonaro nega que tenha tentado ingerir politicamente na corporação.

O depoimento de Bolsonaro é uma das providências finais do inquérito aberto em abril a partir das declarações de Moro –ex-juiz da Operação Lava Jato em Curitiba.

Ao mandar depor presencialmente, Celso citou que o artigo do Código de Processo Penal que prevê a autoridades a possibilidade de prestar testemunho por escrito trata apenas de casos nos quais a pessoa não figure como investigado. O dispositivo só trata de oitiva de autoridades enquanto testemunhas.

Continue Lendo

Brasil

COVID | Brasil tem 829 mortes em 24 horas

Publicado

em

Por

O número de casos do novo coronavírus no Brasil subiu para 4.455.386 e o total de mortes chega a 134.935. Os dados, divulgados na noite desta quinta (17), constam no painel atualizado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), um sistema próprio de informações que reúne dados de contaminados e de óbitos em contagem paralela à do governo.

Nas últimas 24 horas, foram registrados mais 36.303 casos novos e também foram constatados mais 829 óbitos no período, segundo os dados divulgados pelo Conass. Na quarta (16), o país tinha 134.106 mortes e 4.419.083 casos confirmados de Covid-19, de acordo com o conselho.

Continue Lendo
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com