Conecte-se conosco

Estado

Balança Comercial de Goiás aumenta 17,91% em novembro enquanto que a balança do Brasil tem retração de -15,97%

As informações são do Ministério da Economia (Comex Stat) e os números são relativos ao mesmo mês do ano anterior

Publicado

em

O Governo do Estado de Goiás, por intermédio da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC) informa os dados da balança comercial goiana relativos ao mês de novembro de 2019 em conjunto com os dados acumulados do ano.

Os dados são disponibilizados pelo Ministério da Economia, por meio da ferramenta Comex Stat e são os dados mais atuais disponíveis no momento.

Os dados que têm sido disponibilizados através do Governo Federal, antes pelo MDIC e atualmente pelo Ministério da Economia, têm demonstrado a recuperação econômica que o Brasil tem enfrentado, especialmente devido ao esforço dos governos estaduais e dos empresários, para que a atividade econômica continue crescendo e retome sua pujança conforme também já apontado pelo Mercado.

Enquanto a Balança Comercial Brasileira (novembro de 2019) apresentou retração de -15,97% em relação às exportações do mesmo mês do ano anterior, na Balança Comercial de Goiás (novembro de 2019), as exportações aumentaram 17,91% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Com isso, Goiás teve participação de 3,24% nas exportações brasileiras.

Goiás ocupou a 10ª colocação no ranking de exportação dos Estados brasileiros e a 12ª posição no ranking de Estados importadores. Vale pontuar que as importações goianas tiveram crescimento de 17,55% em relação ao ano anterior, o que é positivo, dado que grande parte das importações no estado são de insumos para o setor produtivo goiano.

No ano de 2019, o saldo goiano manteve-se positivo, totalizando US$ 3.092.471.168 bilhões até novembro.

Como destaque, o complexo de Carnes (bovinas, aves e suínas) apresentou crescimento considerável em relação ao mesmo mês do ano anterior na ordem de 43,87%. De igual forma, o Complexo Soja atingiu um crescimento global de 83,42% em relação ao ano anterior, com destaque positivo para os bagaços e farinhas de soja com aumento na ordem de 386,37%, em relação ao mesmo mês de 2018.

O Complexo Milho teve crescimento de 48,70% em relação ao mesmo mês do ano anterior, com destaque para o milho in natura e grãos trabalhados, que são os grãos utilizados de outro modo, como: descascados, esmagados, em flocos, em pérolas, cortados ou partidos.

No acumulado janeiro a novembro de 2019, observa-se uma retração no volume das exportações de Soja (-31,02%) e um crescimento considerável nas exportações de Milho (161,57%) e Algodão (51,37%).

Rio Verde foi o município goiano que mais exportou no decorrer do ano de 2019, seguido por Jataí, Mozarlândia, Barro Alto, Alto Horizonte, Luziânia e Goiânia. A China manteve-se como o principal país de destino das exportações goianas, adquirindo, em média, 40% de todo o volume exportado por Goiás. Países Baixos (Holanda), Coreia do Sul, Espanha e Japão figuram-se como os principais parceiros comerciais.

*PAUTA DE IMPORTAÇÕES*
As importações goianas aumentaram 17,55% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Os produtos farmacêuticos ocuparam a primeira colocação no ranking de produtos importados por Goiás em novembro de 2019, apesar de sua redução de -17,93% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Adubos e fertilizantes, em 2ª colocação no ranking, cresceram 117,80% em novembro de 2019, em comparação a novembro de 2018, pontuando a expectativa do setor produtivo em relação à safra, com aumento dos insumos que serão utilizados.

Anápolis, Catalão e Aparecida de Goiânia foram os municípios que mais importaram no ano de 2019. Quanto aos países de origem das importações goianas, destacam-se Estados Unidos, China, Alemanha e Japão.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

“A água do João Leite chegará à Aparecida”, diz Caiado ao conferir obras da Saneago com investimentos de R$ 73,7 milhões

No total, mais de 370 mil habitantes em mais de 80 bairros serão beneficiados com a regularidade e a qualidade no abastecimento de água, e o fim da dependência de poços artesianos

Publicado

em

Por

“A água do [Ribeirão] João Leite vai chegar em Aparecida, garantindo qualidade e a regularidade no abastecimento. Estas são a diferença e a importância dessa obra para todas as famílias de Aparecida de Goiânia”, anunciou o governador Ronaldo Caiado, nesta terça-feira (11/08), durante primeira visita à frente de serviços da etapa 2 do Linhão Central, na cidade. “É inadmissível as pessoas viverem como viviam aqui, quando ficavam dois, três meses sem água potável e sem condições de subsistência”, complementou o líder, que autorizou o início dos trabalhos em janeiro deste ano.

A visita técnica aos canteiros de obras nos setores Residencial Storil e Independência contou com a presença do presidente da Saneago, Ricardo Soavinski, e do diretor de Operações da Companhia, Mauro Lessa. Em apenas sete meses, Caiado conferiu _inloco_ que mais de 50% do projeto já saiu literalmente do papel. Todas as etapas do sistema – Linhões Central e Sul –, depois de concluídas somarão R$ 73,7 milhões em investimentos, beneficiando mais de 370 mil aparecidenses, de mais de 80 bairros, com o fim de uma espera de décadas pelo abastecimento universal de água.

Com o sistema, o governador resolverá, de forma definitiva, a dependência que a população de algumas regiões ainda tem dos poços artesianos e até de outras formas de abastecimento. “As pessoas compravam de caminhões que forneciam água nas suas residências. É uma obra que tem uma importância enorme, tanto na área da saúde, quanto também na do meio ambiente, ao mesmo tempo em que melhora a vida das pessoas”, assinalou Caiado, que também reforçou a nova política de gestão do governo, em que a cada fase de qualquer empreendimento vencida, há medição, conferência do trabalho executado pela construtora licitada, a fim de garantir o correto uso do recurso público.

O presidente da Saneago também destacou a importância da obra. “Os linhões vão levar regularidade; essa água do João Leite vai chegar a cerca de 370 mil pessoas”, informou Soavinski sobre a conclusão do sistema que está sendo realizado. Ele informou que em janeiro do ano que vem, essa etapa 2 será inaugurada. “Está tudo correndo dentro do cronograma”, afiançou.

Prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha fez uma deferência especial a Ronaldo Caiado durante a visita técnica. “É a universalização dos sistemas de água e esgoto em nosso município. O volume de investimentos é vultuoso”, confirmou Gustavo.

Etapas

Somente o contrato da etapa no 2 do Linhão Central, visitada hoje, tem valor de R$ 27,6 milhões. Entre os bairros beneficiados estão Conde dos Arcos, Independência, Industrial Santo Antônio, Parque Hayala, Polo Empresarial de Goiás (2ª Etapa), Veiga Jardim (parte) e Vila Oliveira, abrangendo um total de 52 mil habitantes.

Além deste trecho, estão em andamento os trabalhos nas etapas 1 e 3 do Linhão Central e no Linhão Sul. O contrato deste último, no valor de R$ 25,3 milhões, prevê a implantação de centros de reservação, estação elevatória, redes de distribuição e adutoras, que vão atender 203 mil pessoas.

Já a etapa 1 do Linhão Central, com investimentos de R$ 7,1 milhões, abrange a ampliação do Booster Cascalho, responsável por incrementar em 200 litros por segundo a vazão de água para a Região Sul de Goiânia e Norte de Aparecida de Goiânia.

Por fim, a etapa 3 do Linhão Central conta com investimentos de R$ 13,7 milhões e se refere à construção do Centro de Reservação Veiga Jardim, estações elevatórias de água tratada e redes de distribuição. O trecho beneficiará uma população de 117 mil habitantes, sendo que parte da rede de distribuição de água do Parque Amazônia já está sendo atendida.

O Sistema de Linhões da Saneago é um conjunto constituído por redes de distribuição, adutoras, centros de reservação e boosters, que levará água do Sistema Produtor Mauro Borges para abastecer a população de Aparecida de Goiânia. Por ser uma obra complexa, foi dividida em etapas. A previsão é de que todos os linhões estejam concluídos até 2024.

Acompanharam a vistoria das obras da Saneago os secretários estaduais Andrea Vulcanis (Meio Ambiente) e Comunicação (Tony Carlo), além dos deputados federais Glaustin da Fokus e Zacharias Calil; e de vereadores de Aparecida e lideranças da região.

Fotos: Junior Guimarães

Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás

Continue Lendo

Estado

Indústria goiana cresce 5,4% em junho e fica em 1º lugar no País, segundo IBGE

O índice é comparativo ao mesmo período de 2019. Pandemia da Covid não impede desenvolvimento econômico de Goiás que, mês a mês, tem demonstrado números cada vez mais positivos e gerado emprego e renda

Publicado

em

Por

A indústria de Goiás continua em expansão. É o que aponta a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta terça-feira (11/8): o setor industrial do Estado teve crescimento de 5,4% no último mês de junho comparado com o mesmo período de 2019.

Esse percentual coloca Goiás na primeira posição entre os Estados pesquisados pelo IBGE. Das 15 unidades federativas avaliadas, apenas três apresentaram resultados positivos – os outros dois são Pernambuco (2,8%) e Mato Grosso (1,6%). No cenário nacional, os números não são bons. Em junho de 2020, a indústria brasileira sofreu queda de 9% tendo em vista os dados de junho do ano passado.

Além de driblar as dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19 e continuar a se expandir levando em consideração os números de 2019, a indústria goiana, alavancada pelas ações do Governo de Goiás, tem apresentado crescimento mês a mês em 2020. A pesquisa do IBGE também demonstrou que o setor cresceu 0,7% em junho em relação ao mês anterior; e 3% em maio, comparado ao desempenho de abril.

O crescimento industrial deve vir acompanhado da geração de emprego e renda, sobretudo nas regiões mais vulneráveis do Estado. Dentro dessa política pública, o governador Ronaldo Caiado criou um programa de benefícios fiscais voltado à instalação de indústrias em municípios considerados prioritários, segundo o Índice Multidimensional de Carência das Famílias Goiás (IMCF). “Não posso ter, como governador, dois Estados, um com maior renda e outro com baixa renda e sem oportunidade de emprego. Precisamos igualar e tratar da mesma forma os 7,2 milhões de goianos”, destaca. O Norte e Nordeste goianos, além do Entorno do Distrito Federal, integram o projeto que oferece até 98% de incentivo fiscal.

Titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Adonídio Neto, avaliou os resultados e reafirmou que Goiás caminha em passos rápidos para ser o primeiro Estado a sair da crise provocada pela pandemia. “O Governo de Goiás tem foco nesse momento na recuperação das empresas, sobretudo as micro e pequenas; na geração de empregos e na regionalização do desenvolvimento. A atração de investimentos começa a mostrar resultados positivos”, diz o secretário.

Goiás na pesquisa

Os números da indústria de Goiás também indicam resultado positivo de 2,2% na variação dos últimos doze meses, o que dá ao Estado a segunda colocação, atrás apenas do Rio de Janeiro (4,4%). O Pará também registrou variação positiva de 0,4% nesse período. Os demais estados tiveram índices negativos na pesquisa do IBGE.

Já na pesquisa que avalia o acumulado do ano, de janeiro a junho, Goiás também ocupa a segunda posição com índice de 0,9%, ficando atrás apenas do Rio de Janeiro (2,3%). Os demais locais pesquisados, incluindo o Brasil), tiveram resultados negativos.

Continue Lendo
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com