Conecte-se conosco

Brasil

Bombeiro é preso suspeito de participação na morte de Marielle por ter supostamente cedido carro usado pra o crime

Publicado

em

O bombeiro Maxwell Simões Correa foi preso na manhã de hoje sob suspeita de participação no assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018. Ele foi alvo de um mandado de prisão na Operação Submersus 2, realizada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. De acordo com o MP, o bombeiro de 44 anos teria tentado “atrapalhar de maneira deliberada a investigação”. Conhecido como Suel, ele é suspeito de ter ajudado a esconder a arma usada no crime

Maxwell chegou à delegacia de homicídios por volta das 7h40 após ter sido preso em sua casa, uma mansão de três andares, em um condomínio de luxo, no Recreios dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio. Na porta da mansão ainda foi apreendida uma BMW X6 avaliada em R$ 170 mil. Além do mandado de prisão, a operação cumpre mandados de busca e apreensão em dez endereços na cidade do Rio ligados a Maxwell e a outras quatro investigados. A força tarefa afirma que Maxwell é o braço direito de Ronnie Lessa. Chamada de Operação Submersus 2, a ação tem como foco a ocultação de armas usadas por Ronnie Lessa, acusado de ter assassinado Marielle e seu motorista Anderson Gomes.

Em entrevista na entrada da delegacia, a promotora Letícia Emili Alqueres Petriz, do Gaeco (Grupo de Combate ao Crime Organizado), informou que “o bombeiro está sendo investigado por ceder o carro para que várias armas que estariam na casa de Lessa fossem escondidas e, posteriormente, jogadas ao mar”.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Seinfra realiza manutenção asfáltica e limpeza de bueiros em 12 bairros neste sábado, 4

Publicado

em

Por

A Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana (Seinfra), realiza, neste sábado (4/12), serviços de manutenção asfáltica no Setor Central, Parque Atheneu, Residencial Itapuã, Bairro Goiá, Jardim Novo Mundo, Jardim Leblon, Bairro São Francisco, Jardim Fonte Nova, Jardim Guanabara, Setor Goiânia II, Vila Paraíso e Setor Faiçalville.

Também estão sendo realizadas as limpezas de bocas de lobo, bueiros, córregos e pontes nos setores Leste Vila Nova, Santos Dumont, Jardim América, Centro, Goiânia Viva e Finsocial, além da produção de massa asfáltica que acontece, hoje, na Usina de Asfalto da Prefeitura de Goiânia.

Os serviços de infraestrutura podem ser solicitados por meio do aplicativo Prefeitura 24h ou pelos telefones 3524-8363/3524-8373 e WhatsApp 9-8493-7229.

Juan Meloni, da editoria de Infraestrutura

Continue Lendo

Brasil

Blogueira que falou em “esfaquear” Eduardo Bolsonaro diz ter sido intimada

Publicado

em

Por

Uma blogueira afirmou ter sido intimada pela polícia do RJ por ter criticado Eduardo Bolsonaro

Em vídeo, ela disse que esfaquearia o presidente Jair Bolsonaro (PL) e “provavelmente” em seu filho

O caso ocorreu em Tupã (interior de São Paulo)

A blogueira Maria Cristina Fontes de Mattos, conhecida como Tininha Mattos, afirmou ter sido intimada a prestar depoimento à Polícia Civil do Rio de Janeiro em razão de um vídeo, publicado em março no Instagram, em que lamentou não ter encontrado o presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus filhos no Rio.

E eu ia fazer escândalo, e eu ia filmar, e eu ia dar outra facada no Bolsonaro, com faca de pão que eu ia roubar da copa daqui, provavelmente no Eduardo Bolsonaro, que é quem eu mais odeio, mas eu perdi essa oportunidade”, disse Tininha na rede social.

Posteriormente, após receber ataques e ameaças de apoiadores do presidente, ela disse que se tratou de uma postagem “ácida” e se retratou.

A intimação é um desdobramento da ação apresentada em 1º de setembro por Eduardo contra Tininha ao TJRJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) por suposto crime de ameaça. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI).

“Meu advogado está entrando com pedidos de habeas corpus para trancar esse inquérito, já que é inconstitucional e ilegal. Não houve crime. Aliás, ele mesmo [Eduardo Bolsonaro] falou isso em audiência de conciliação do processo cível que ele mesmo abriu”, disse Tininha em entrevista ao portal UOL, em referência a outra ação, esta apresentada ao TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios), na qual Eduardo já foi derrotado.

Após a publicação do vídeo, o deputado informou que entraria com um processo contra Tininha (sem citar seu nome) e um doutor em Filosofia pela USP (Universidade de São Paulo) que também o criticou.

Continue Lendo