Conecte-se conosco

Brasil

Brasileiro de escola pública é aprovado em 9 universidades dos EUA

Publicado

em

Um jovem brasileiro de Pernambuco, que estou em escola pública, foi aprovado em 9 universidades dos Estados Unidos.

O Fred Ramon dos Santos tem 20 anos. Entre todas elas, ele escolheu estudar Ciência da Computação e Estudos Globais na Whithier College, na Califórnia.

Ele viaja para Los Angeles, em agosto para o início das aulas.

Escolhi a Whittier College porque foi a faculdade que me deu a maior bolsa de estudos”, disse o jovem ao site Sprout Wired.

Fred participa de movimentos sociais desde os 16 anos e disse que pesou na decisão o fato de que lá será possível por em prática “um projeto de articulações com órgãos americanos que se abrem para levar programas de capacitação e financiamento para pequenos e médios negócios para famílias desempregadas em comunidades de baixa renda em Pernambuco e no Nordeste”.

O sonho do rapaz é levar opções para jovens e mostrar que é possível se erguer na vida.

As universidades

Durante a pandemia, Fred se preparou para atingir a média nos exames de admissão e testes de inglês nos Estados Unidos.

“Consegui ficar acima da média. Eles me disseram que eu tinha que conseguir pelo menos 95. Tirei 105 marcas de um total de 160 ”, disse.

O brasileiro foi aprovado na ASU e na Universidade do Arizona, Arizona, no Manhattanville College e na Adelphi University em Nova York, na La Verne University e Whittier College, também na Califórnia e foi aceito ainda na Florida Tech e na Stetson University, Flórida, além da Temple University localizada na Pensilvânia.

Em agosto, ele viaja para Los Angeles, Califórnia, onde estudará ciência da computação e estudos globais no Whittier College.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Confederação Israelita lamenta encontro de bolsnaristas com política alemã, neta de ministro nazista

Publicado

em

Por

Confederação Israelita do Brasil lamentou encontro entre parlamentares brasileiros e política alemã de partido conservador

Em nota, a Conib não citou quem foram os deputados que receberam Beatrix von Storch; nas redes sociais, Bia Kicis e Eduardo Bolsonaro compartilharam fotos com a alemã

Beatrix von Storch é neta de um ex-ministro da Alemanha Nazista e conhecida por declarações públicas xenofóbicas

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) lamentou que uma política alemã, representante do partido Alternativa para a Alemanha, tenha sido recebida em Brasília. Beatrix von Storch se encontrou com parlamentares bolsonaristas, como Bia Kicis (PSL-DF) e Eduardo Bolsonaro (PSL-DF)

Em nota, a Conib não citou os deputados que encontraram von Storch, mas caracterizou o partido alemão como “extremista, xenófobo, cujos líderes minimizam as atrocidades nazistas e o Holocausto”.

“O Brasil é um país diverso, pluralista, que tem tradição de acolhimento a imigrantes. A Conib defende e busca representar a tolerância, a diversidade e a pluralidade que definem a nossa comunidade, valores estranhos a esse partido xenófobo e extremista”, declarou a entidade.

O encontro foi divulgado nas redes sociais de Eduardo Bolsonaro. “Excelente encontro com a Deputada Federal alemã Beatrix von Storch, que também é vice-presidente do partido Alternativa Para Alemanha. Somos unidos por ideais de defesa da família, proteção das fronteiras e cultura nacional”, escreveu o filho do presidente Jair Bolsonaro.

Bia Kicis também compartilhou uma foto com a parlamentar alemã e caracterizou o partido como “o maior partido conservador” do país. “Hoje recebi a deputada Beatrix von Storch, do Partido Alternativa para Alemanha, o maior partido conservador daquele país. Conservadores do mundo se unindo para defender valores cristãos e a família.”

Beatrix von Storch é vice-líder do partido, além de ser neta de Lutz Graf Schwerin von Krosigk, ministro nazista das Finanças. A política também é conhecida por manifestações pública xenefóbicas.

Além da Conib, o Museu do Holocausto de Curitiba também expressou preocupação com o encontro. “É evidente a preocupação e a inquietude que esta aproximação entre tal figura parlamentar brasileira e Beatrix von Storch representam para os esforços de construção de uma memória coletiva do Holocausto no Brasil e para nossa própria democracia.”

Continue Lendo

Brasil

Reforma do IR proposta por Guedes visa beneficiar dentistas e médicos

Publicado

em

Por

Projeto isentaria dividendos de até R$ 20 mil

Profissionais costumam receber seus vencimentos por meio de dividendos desde 1995

Objetivo é tributar os mais afluentes, desonerar empresas e assalariados

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou nessa quinta-feira (22/07) que pode aumentar a faixa de isenção da taxação prevista na reforma do Imposto de Renda para não afetar “dentista, médico, profissional liberal”. Essas categorias, que seriam cobradas pelo imposto sobre dividendos, começaram a pressionar por mudanças na proposta apresentada pelo governo ao Congresso.

Num evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o responsável pela pasta reconheceu as propostas recebidas para a reforma tributária. “Quero agradecer o apoio de todo mundo que está nos ajudando, levando sugestões, dizendo ‘ó, cuidado que isso aqui é errado’. Eu começo as conversas sempre muito francamente, e falo: pessoal pago 20% do dividendo. ‘Ah não, mas vai pegar os profissionais liberais’. Isenção até R$ 20 mil, pronto. Se precisar até subir um pouquinho, sobe mais um pouco”, disse Guedes

O projeto em discussão na Câmara dos Deputados prevê uma taxa de 20% sobre dividendos, mas estabelece uma faixa de isenção de R$ 20 mil mensais. A parcela é voltada exclusivamente para empresas pequenas e médias, como as do Simples Nacional e do Microempreendedor Individual (MEI).

Já os profissionais como médicos e advogados costumam receber seus vencimentos por meio de dividendos, dos quais são isentos desde 1995. Logo, a taxação abarcaria esse grupo. “Não quero mexer com dentista, médico, profissional liberal, não é isso. Não queremos atingir a classe média, nada disso. Queremos tributar os mais afluentes e desonerar as empresas e os assalariados”, explicou o ministro.

Continue Lendo