Conecte-se conosco

Estado

CASO DANILO | Bombeiros reconhecem dificuldades na primeira tentativa de busca em mata do Parque Santa Rita onde corpo foi encontrado

Publicado

em

O desaparecimento seguido de morte do menino Danilo de Sousa, de sete anos, que chocou o estado de Goiás, ganha novos fatos e questionamentos, cuja vinda a luz, suscita dúvidas. Porque o Corpo de Bombeiros precisou voltar à mata, localizada no setor Parque Santa Rita? Com estado avançado de decomposição, há quantos dias, o corpo jazia no local?

Segundo resposta da assessoria de imprensa dos Bombeiros, contactada na manhã desta terça-feira 28, a região da mata é vasta e difícil acesso e não foi possível cobrir todo o local na primeira busca realizada.

Cães farejadores dos bombeiros encontraram o corpo de uma criança próximo à casa de Danilo de Sousa Silva, de 7 anos, desaparecido desde 3ª feira (21) em Goiânia.

De acordo com informações preliminares, o corpo foi localizado em um lamaçal no Parque Santa Rita, a cerca de 100 m da casa da família do menino.

Apesar de suspeitas de que se trate realmente de Danilo, a informação só poderá ser confirmada após perícias da Polícia Técnico Cientifica.

O trabalho do Instituto Médico Legal (IML) também será importante para verificar se há sinais de violência no cadáver.

Relembre o caso

Após sair para supostamente visitar a avó, a apenas 1 rua de distância, Danilo foi visto pela última vez na porta de casa.

Na manhã desta 2ª (27), a PC divulgou imagens de câmeras de segurança que mostram uma criança pedindo comida em um restaurante na região do Dergo.

Parentes do menino, porém, não ficaram seguros em dizer que se tratava dele no vídeo.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Com aprovação da Assembleia, Governo de Goiás amplia para 4 mil vagas e simplifica acesso à CNH Social

Publicado

em

Por

Aprovado por unanimidade, programa terá novas regras mais humanizadas e socialmente adequadas

A Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego) aprovou, em segunda e definitiva votação, nesta terça-feira (11/8) projeto de lei, do Poder Executivo, que aprimora o processo de seleção dos beneficiários do Programa CNH Social. Com a alteração, serão levados em consideração critérios mais humanizados e socialmente adequados para o desempate dos candidatos inscritos. A aprovação do projeto se deu por unanimidade.

A expectativa é de que 4 mil vagas para o programa sejam disponibilizadas pelo Detran-GO ainda em 2020. A primeira etapa do CNH Social, com 2.010 vagas nas categorias Rural, Urbana e Estudantil, foi lançada no final de 2019.

Com os novos critérios, que passarão a valer a partir da sanção do governador Ronaldo Caiado, o banco de dados do Cadastro Único para Programas do Governo Federal (CadÚnico) foi adotado como meio de comprovação dos dados cadastrais inseridos pelos candidatos. Além disso, na categoria estudantil, substitui-se a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pela média obtida no ensino médio, apurada pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc).

Outras mudanças elencadas dizem respeito aos critérios de ingresso no programa, mais humanizados e socialmente adequados para o desempate dos candidatos inscritos, tais como renda familiar per capita, maior idade, número de componentes do grupo familiar, existência de benefício social, data e hora da inscrição.

Os contemplados recebem isenção de taxas como inclusão no Renach, Licença de Aprendizagem de Direção Veicular, agendamento de prova teórica e agendamento de exame prático. Também se abstêm de pagar pelos exames médico e psicológico, junta médica, quando se trata de candidato com deficiência, e toxicológico, exigido para categoria profissional. Por meio de parcerias, foram oferecidos ainda o curso teórico, de legislação de trânsito, as aulas práticas de direção e até três retestes.

*Detran – Governo de Goiás*

Continue Lendo

Estado

Familiares de detentos farão manifestação dia 21; contra torturas

Publicado

em

Por

Um grupo de familiares de detentos dos presídios de Goiás organiza uma manifestação para 21 de agosto, na porta da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), em Goiânia, para reivindicar o direito a visitas, protestar contra maus tratos e exigir condições mais dignas de sobrevivência nestes estabelecimentos do Estado. Segundo relatado por parentes, os detentos enfrentam situações de tortura no encarceramento. A DGAP, por sua vez, nega as práticas de violência.

No último dia 31, ocorreu uma manifestação no diretoria-geral, em Goiânia, com estas mesmas pautas. À época, a comissão de representantes de familiares dos reeducandos foi recebida pelo diretor da DGAP, coronel Agnaldo Augusto da Cruz. Segundo informado por membros da comissão, ele pediu para que as demandas fossem documentadas, com a apresentação de propostas para a reabertura de visitas, que ainda não ocorreu.

Contudo, a situação não é somente pelo direito às visitas, ressalta a fonte, que preferiu se manter anônima. Esta pessoa afirma que os presos têm sido submetidos a tratamentos desumanos nas penitenciárias, além de expor a rigidez para o envio de alimentos.

Um grupo de familiares de detentos dos presídios de Goiás organiza uma manifestação para 21 de agosto, na porta da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), em Goiânia, para reivindicar o direito a visitas, protestar contra maus tratos e exigir condições mais dignas de sobrevivência nestes estabelecimentos do Estado. Segundo relatado por parentes, os detentos enfrentam situações de tortura no encarceramento. A DGAP, por sua vez, nega as práticas de violência.

No último dia 31, ocorreu uma manifestação no diretoria-geral, em Goiânia, com estas mesmas pautas. À época, a comissão de representantes de familiares dos reeducandos foi recebida pelo diretor da DGAP, coronel Agnaldo Augusto da Cruz. Segundo informado por membros da comissão, ele pediu para que as demandas fossem documentadas, com a apresentação de propostas para a reabertura de visitas, que ainda não ocorreu.

Contudo, a situação não é somente pelo direito às visitas, ressalta a fonte, que preferiu se manter anônima. Esta pessoa afirma que os presos têm sido submetidos a tratamentos desumanos nas penitenciárias, além de expor a rigidez para o envio de alimentos.

Continue Lendo
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com