Conecte-se conosco

Mundo

Coronavírus: o país que já está na terceira onda de covid-19

Publicado

em

Enquanto muitos países enfrentam a temida “segunda onda” de casos de coronavírus, e ainda há lugares que não passaram da primeira, o Irã já está contando as mortes de uma terceira onda.

E naquele que já foi um dos países do Oriente Médio mais afetados pela pandemia, essa “terceira onda” é a mais mortal delas.

O Irã quebrou novamente seu recorde de infecções diárias no meio da semana com 4.830 novos casos de covid-19 na quarta-feira (14/10), de acordo com os registros da Universidade Johns Hopkins (Estados Unidos).

Mas a nação persa vem batendo recordes desde 22 de setembro, quando ultrapassou os 3.574 casos diários registrados no início de junho, no auge de sua “segunda onda”.

“Embora a segunda onda de coronavírus tenha sido contida com sucesso, a terceira onda está surgindo porque os protocolos sanitários foram ignorados”, advertiu o ministro da Saúde iraniano, Saeed Namaki, no mesmo dia, segundo notícia da agência oficial Iran Press.

Menos de duas semanas depois, em 5 de outubro, o Irã já havia igualado seu recorde de mortes diárias, semelhante ao de julho.

E as 279 mortes registradas nesta quarta-feira também são o maior número diário em um país que, segundo dados oficiais, já tem mais de meio milhão de infecções e quase 30 mil mortes pela pandemia.

O número real, no entanto, é muito maior: em agosto passado, o serviço persa da BBC recebeu registros do governo que vazaram mostrando que, até 20 de julho, quase 42 mil pessoas morreram com sintomas de covid-19, mas o Ministério da Saúde apenas informou 14.405 falecidos.

O número de pessoas identificadas como infectadas nesses documentos também foi quase o dobro dos números do ministério.

E o vice-ministro da Saúde iraniano, Iraj Haririchi, finalmente reconheceu que o número real de mortos é “significativamente” maior do que os números oficiais.

Segundo a BBC Persa, Haririchi explicou que as estatísticas oficiais se baseiam no número de mortes com teste PCR positivo, mas estimou que, dependendo da província, o número real de vítimas do coronavírus é entre 1,5 e 2,2 vezes maior do que aquele lançado por esses registros.

O vice-ministro também alertou que tanto os profissionais de saúde quanto os mantimentos médicos estão à beira do esgotamento com o agravamento da situação em Teerã e outras regiões do país.

Teerã ‘fechada’

No momento, 27 das 31 províncias do país já foram designadas pelas autoridades iranianas como zonas “vermelhas” devido ao rápido aumento das infecções.

E a situação na capital, Teerã, e em seus subúrbios, foi descrita como especialmente “crítica”.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Trump diz que deixará a Casa Branca se Biden ganhar votação no Colégio Eleitoral

Publicado

em

Por

WASHINGTON/REHOBOTH BEACH (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que deixará a Casa Branca se o Colégio Eleitoral votar a favor do presidente eleito Joe Biden, na declaração mais próxima de uma admissão de sua derrota nas eleições do dia 3 de novembro, apesar de o republicano continuar repetindo suas acusações infundadas de que houve fraude eleitoral generalizada.

Ao falar com jornalistas no feriado de Ação de Graças, Trump disse que se Biden –que deve tomar posse no dia 20 de janeiro– for confirmado como vencedor das eleições pelo Colégio Eleitoral, ele deixará a Casa Branca.

Mas Trump disse que seria difícil para ele admitir a derrota nas atuais circunstâncias, e se recusou a dizer se compareceria à posse de Biden.

“Essa eleição foi uma fraude”, insistiu Trump em um discurso por vezes incoerente na Casa Branca, no qual continuou sem oferecer evidências concretas da existência de irregularidades eleitorais generalizadas.

Biden venceu a eleição com 306 dos votos do Colégio Eleitoral –muitos mais que os 270 necessários para garantir a vitória–, contra 232 de Trump, e a reunião do Colégio Eleitoral está marcada para o dia 14 de dezembro para formalizar o resultado. Biden também lidera Trump por mais de 6 milhões de votos na contagem de votos populares.

Trump até agora se recusou a reconhecer completamente sua derrota, embora na última semana –com o aumento da pressão vinda de seu próprio Partido Republicano– ele tenha aceitado autorizar o início do processo oficial de transição de poder.

Perguntado se deixaria a Casa Branca se o Colégio Eleitoral votar por Biden, Trump disse: “Certamente, eu irei. Certamente irei. E vocês sabem disso”, declarou. “Mas eu acredito que muitas coisas vão acontecer entre agora e o dia 20 de janeiro. Muitas coisas”, disse. “Fraudes massivas foram descobertas. Somos como um país de Terceiro Mundo.”

Continue Lendo

Mundo

AÇÃO DE GRAÇAS | Trump perdoa o peru pela última vez em tradição americana desde Abraham Lincoln

Publicado

em

Por

Corn (milho, em inglês) venceu enquete no site da Casa Branca, mas seu irmão Cob (espiga) também será poupado e ambos viverão o resto das vidas em universidade. Tradição de perdoar ave foi reativada por George H.W. Bush, mas remonta à época da presidência de Abraham Lincoln.

O presidente dos EUA, Donald Trump, perdoou nesta terça-feira (24) pela última vez um peru às vésperas do Dia de Ação de Graças, uma tradição de décadas no país. Este ano, o sortudo foi Corn (milho), que recebeu “perdão total” de Trump.

Isso não significa, porém, que a ave preterida, Cob (espiga), será sacrificada. Os dois perus irão juntos para a Iowa State University, onde viverão o resto de suas vidas em paz, sem correr o risco de virar refeição.

Corn e Cob foram criados por Ron Kardel, presidente da Federação Nacional de Perus e agricultor de sexta geração de Walcott, Iowa.

Antes da cerimônia de perdão, a Casa Branca apresentou os dois candidatos e criou uma enquete no Twitter, perguntando aos seguidores qual peru merecia receber a honra. Corn ficou à frente de Cob por quase oito pontos: 53,7% a 46,3%.

Continue Lendo
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com