Conecte-se conosco

Brasil

Entenda porque a COP26 é determinante para o futuro do planeta

Publicado

em

COP26 acontecerá em Glasgow, na Escócia, e reunirá 197 países do mundo

Principal preocupação da conferência é com a mudança climática, que pode levar o mundo a eventos extremos

Expectativa é que países desenvolvidos e em desenvolvimento consigam firmar novos acordos e compromissos para evitar o aumento da média da temperatura global

O mundo tem experimentado verões mais quentes, com fortes ondas de calor, além de furacões e incêndios florestais. Com isso, a preocupação pública com a mudança climática chegou ao auge em toda a história, às vésperas da Conferência da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática em Glasgow, na Escócia, que começa no dia 31 de outubro.

O resultado deste encontro, também conhecido como COP26, pode ser o fator mais importante para determinar se a humanidade vai sofrer as piores consequências das mudanças climáticas.

Entender o que vai acontecer em Glasgow é chave para saber que futuro nos espera no Planeta Terra. Para desmistificar esses processos, o Yahoo! Notícias respondeu algumas das perguntas mais frequentes sobre a COP26.

O que é mudança climática e por que isso importa?

A mudança climática se refere aos efeitos do aquecimento global – um aumento de temperatura média global de 1,2ºC – registrado desde o começo da Era Industrial, no fim do século 19. Conforme os humanos queimam combustíveis fósseis como carvão, óleo e gás natural, os gases de efeito estufa ficam concentrados na atmosfera. É o caso do dióxido de carbono, que captura calor e aumenta as temperaturas.

Os eventos disso já estão sendo sentidos, como:

Aumento do nível do mar

Eventos climáticos extremos

Se não houver uma mudança de rumos, a emissão de gases de efeito estufa vão leva a mais graus de aumento de temperatura, o que pode gerar resultados devastadores para pessoas que vivem em áreas de vulnerabilidade.

O que vai acontecer em Glasgow?

No total, 197 países vão participar da COP26 em Glasgow. Quase todas as nações vão tentar negociar uma atualização do Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, acordo climático feito em 1992.

Desde 1995, todos os anos houve conferências entre os signatários do documento, as COPs. O primeiro acordo para limitar a emissão de gases do efeito estuda foi o Protocolo de Kyoto, firmado no Japão, em 1997. Kyoto foi a COP3.

Na maior parte dos anos, a COP é dedicada a discutir detalhes mais simples da implementação do que já existe nos acordos. Mas, a cada seis anos, há uma conferência mais importante para tentar atualizar o que já havia sido firmado.

O último acordo aconteceu em 2015, em Paris. Os países concordaram em se reunirem depois de 5 anos para atualizar os compromissos e fortalecer o acordo. No entanto, com a pandemia de covid-19, a COP teve de ser adiada de 2020 para 2021.

Quando será a COP26?

A conferência acontecerá entre os dias 31 de dezembro e 12 de novembro.

Quem estará lá?

Enquanto as verdadeiras negociações são conduzidas por oficiais de alto nível dos governos, como ministros do Meio Ambiente, diversos chefes de estado farão aparições e discursos, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

A delegação norte-americana será a maior do evento e o líder será o ex-secretário de Estado John Kerry. O Brasil, por sua vez, terá a segunda maior delegação, mas o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) não confirmou presença na COP26.

Grandes corporações e grupos que advogam pelo meio ambiente serão responsáveis por apresentar painéis e fazer apresentações no evento. Ativistas planejam fazer marchas e manifestações perto do evento.

Por que o Acordo de Paris precisa ser atualizado e reforçado?

Em Paris, as nações concordaram em limitar o aquecimento global em 2ºC acima da média da era pré-industrial, e se comprometeram em fazer um esforço para manter o aquecimento abaixo de 1,5ºC. No entanto, no ritmo em que o mundo está hoje, a expectativa hoje é que o aumento da temperatura seja de 2,7ºC até o final deste século.

Projeções científicas sugerem que o aquecimento no índice como vemos hoje deverá levar a consequências muito perigosas: ondas de calor brutais, grandes tempestades, aumento do nível do mar e aumento das queimadas florestais.

A esperança em Paris era que os países trocassem a matriz energética para a solar ou a eólica, caso estejam comprometidas em fazer acordos mais ambiciosos para cortas emissões no próximo acordo.

O que fará com que Glasgow seja um sucesso?

Se a COP26 for um sucesso, os países vão negociar um acordo para limitar o aquecimento global e, ainda, devem especificar o que cada um deve fazer para limitar suas emissões. Mas, além disso, as nações também vão precisar acordar em ajudar países em desenvolvido, que precisam de apoio para reduzir as emissões e chegar no patamar desejado.

Por que ter fé em todo esse processo?

Prevenir mudanças climáticas catastróficas requer que todos os países participem desse plano de ação. A COP26 pode, pelo menos, levar todos os países para a mesa de negociação. À exceção de certos retrocessos, o processo já indica uma melhora na situação: todas as nações se comprometeram a combater a mudança climática, diversos governos prometeram cortar suas emissões e até países em desenvolvimento, que antes não estavam dispostos, entendem que é preciso se comprometer com planos de ação contra a mudança climática.

Os acordos climáticos também criaram mecanismos para arrecadar fundos de países mais ricos, que são responsáveis pela vasta maioria das emissões de carbono, e distribuir o dinheiro para países em desenvolvimento que precisam se adaptar à mudança climática e crescer economicamente sem o uso de combustíveis fósseis.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Seinfra realiza manutenção asfáltica e limpeza de bueiros em 12 bairros neste sábado, 4

Publicado

em

Por

A Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana (Seinfra), realiza, neste sábado (4/12), serviços de manutenção asfáltica no Setor Central, Parque Atheneu, Residencial Itapuã, Bairro Goiá, Jardim Novo Mundo, Jardim Leblon, Bairro São Francisco, Jardim Fonte Nova, Jardim Guanabara, Setor Goiânia II, Vila Paraíso e Setor Faiçalville.

Também estão sendo realizadas as limpezas de bocas de lobo, bueiros, córregos e pontes nos setores Leste Vila Nova, Santos Dumont, Jardim América, Centro, Goiânia Viva e Finsocial, além da produção de massa asfáltica que acontece, hoje, na Usina de Asfalto da Prefeitura de Goiânia.

Os serviços de infraestrutura podem ser solicitados por meio do aplicativo Prefeitura 24h ou pelos telefones 3524-8363/3524-8373 e WhatsApp 9-8493-7229.

Juan Meloni, da editoria de Infraestrutura

Continue Lendo

Brasil

Blogueira que falou em “esfaquear” Eduardo Bolsonaro diz ter sido intimada

Publicado

em

Por

Uma blogueira afirmou ter sido intimada pela polícia do RJ por ter criticado Eduardo Bolsonaro

Em vídeo, ela disse que esfaquearia o presidente Jair Bolsonaro (PL) e “provavelmente” em seu filho

O caso ocorreu em Tupã (interior de São Paulo)

A blogueira Maria Cristina Fontes de Mattos, conhecida como Tininha Mattos, afirmou ter sido intimada a prestar depoimento à Polícia Civil do Rio de Janeiro em razão de um vídeo, publicado em março no Instagram, em que lamentou não ter encontrado o presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus filhos no Rio.

E eu ia fazer escândalo, e eu ia filmar, e eu ia dar outra facada no Bolsonaro, com faca de pão que eu ia roubar da copa daqui, provavelmente no Eduardo Bolsonaro, que é quem eu mais odeio, mas eu perdi essa oportunidade”, disse Tininha na rede social.

Posteriormente, após receber ataques e ameaças de apoiadores do presidente, ela disse que se tratou de uma postagem “ácida” e se retratou.

A intimação é um desdobramento da ação apresentada em 1º de setembro por Eduardo contra Tininha ao TJRJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) por suposto crime de ameaça. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI).

“Meu advogado está entrando com pedidos de habeas corpus para trancar esse inquérito, já que é inconstitucional e ilegal. Não houve crime. Aliás, ele mesmo [Eduardo Bolsonaro] falou isso em audiência de conciliação do processo cível que ele mesmo abriu”, disse Tininha em entrevista ao portal UOL, em referência a outra ação, esta apresentada ao TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios), na qual Eduardo já foi derrotado.

Após a publicação do vídeo, o deputado informou que entraria com um processo contra Tininha (sem citar seu nome) e um doutor em Filosofia pela USP (Universidade de São Paulo) que também o criticou.

Continue Lendo