Conecte-se conosco

Estado

FOTOS | Livro sobre Goiás no Século 19 fala do Jornal Goyaz como participante ativo na campanha contra escravidão até publicação da Lei Áurea

Publicado

em

O Goyaz, Órgão Democrata, fundado pelos irmãos Félix e Leopoldo de Bulhões, presenciou, noticiou, influenciou  pressionou  a sociedade goiana, ainda no século 19, para implantação e desenvolvimento de um novo modelo social, político e econômico.

Na edição do dia 8 de junho de 1888, o jornal Goyaz noticiou a aprovação da chamada Lei Áurea, a lei que aboliu a escravidão no Brasil. Foi o fim de uma campanha que mobilizou principalmente a cidade de Goiás e os principais órgãos da imprensa local.

Esse é um dos episódios históricos presentes no livro “Província Imensa e Distante: Goiás de 1821 a 1889”, de autoria do Prof. Fábio Santa Cruz, pesquisador da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

O jornal Goyaz era ligado aos liberais e participou ativamente da campanha abolicionista. Naquela época, era comum que os jornais assumissem abertamente posições políticas e partidárias. A vitória do movimento contra a escravidão teve significado especial porque não determinou nenhuma indenização aos donos de escravos. Essa era considerada a decisão mais radical a ser tomada sobre o assunto.

O livro do Prof. Fábio Santa Cruz trata de vários outros assuntos da história goiana no século 19, como a proposta de mudança da capital, que ganhou maior força após ser defendida pelo presidente da Província de Goiás, José Couto de Magalhães, em 1863. Depois de proclamada a República, em 1889, a proposta foi incluída na primeira Constituição do Estado de Goiás. Na década de 1930, enfim, houve a construção de Goiânia e a mudança da capital.

A participação de Goiás na Guerra do Paraguai, os primeiros bispos goianos e a situação dos indígenas são alguns dos outros assuntos abordados pelo livro, que foi lançado em 2019.

E porque a Lei Áurea, sancionada em 13 de maio, só foi noticiada em Goiás no dia 8 de junho? A resposta é simples: esse era o tempo que levava para uma notícia do Rio de Janeiro chegar até a cidade de Goiás naquele ano de 1888.

Por: Fábio Santa Cruz 

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Governo de Goiás reforça suspensão de visitas nas unidades de conservação ambiental por tempo indeterminado

Recomendação da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) é para que pessoas respeitem isolamento social no Estado até que pandemia de coronavírus seja controlada

Publicado

em

Por

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), reforça o aviso de suspensão, por prazo indeterminado, de visitas e utilização das unidades de conservação ambiental para fins de pesquisas e levantamentos científicos presenciais, incluindo atividades educativas e de lazer comunitário, como caminhadas, pedaladas, visitas contemplativas, entre outras. A medida integra o plano de contenção à pandemia do coronavírus no Estado.

A suspensão foi publicada na Portaria 46/2020/Semad, na edição do dia 19/03 do Diário Oficial e segue as recomendações dos decretos nº 9.633, de 13 de março e nº 9.637 de 17 de março, publicados pelo Governo de Goiás. Diversas atividades continuam restritas no Estado e a recomendação é para que as pessoas evitem sair de casa.

Segundo a secretária Andréa Vulcanis, é preciso reforçar a mensagem de isolamento social, uma vez que muitas pessoas procuraram os parques durante os dias de quarentena. “Várias administrações dos parques relataram o aparecimento de turistas nas unidades de conservação durante os últimos dias, em completo desrespeito às recomendações do Governo de Goiás, balizadas por estudos da Organização Mundial da Saúde, de guardar o isolamento social”, afirma.

“Infelizmente, existem, ainda, mensagens de autoridades em conflito com as determinações vigentes em Goiás. Mas reforçamos: as atividades públicas nos parques e unidades de conservação serão retomadas assim que os níveis de segurança sanitária e de saúde pública sejam restabelecidos. Quarentena não é férias”, destaca.

As atividades internas nas unidades serão mantidas e sob a coordenação geral da Gerência de Criação e Manejo de Unidades de Conservação. A Semad suspendeu todos os atendimentos presenciais e mantém os contatos das gerências e superintendências para teleatendimento no site.

Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – Governo de Goiás

Continue Lendo

Estado

Eles acharam que era briga de namorados. O segundo texto Especial Segurança Pública

Publicado

em

Por

Por Carla Lacerda Secretaria de Estado de Comunicação

Dezembro. O mês mais especial para Sabrina Lélis. Temporada de celebrações, inclusive pelo seu aniversário. Mas, em 2012, tudo foi bem diferente.

“A polícia prendeu nesta segunda-feira (25) um homem de 31 anos suspeito de estuprar e estrangular uma jovem de 16, no dia 1º de dezembro do ano passado, em Trindade, Região Metropolitana de Goiânia. O corpo da adolescente só foi encontrado seis dias depois, em um chiqueiro desativado dentro de uma chácara, no Setor Maísa II”.
(G1 – Goiás / 25.02.13)

A barbaridade que a mídia noticiava tinha acontecido no primeiro dia de dezembro de 2012. “Crimes contra a vida e contra a dignidade sexual sempre marcam. E eu me lembro que esse estupro, seguido de morte, ocorreu perto do meu aniversário”, diz a delegada Sabrina, 39 anos, hoje titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos, e, àquela época, chefe da Delegacia de Trindade.

O caso foi tão “emblemático”, como qualifica a delegada, que mesmo tendo sido transferida para Goiânia (primeiro para o 26º DP, no Jaó, e mais tarde para a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária – DOT), ela continuou as investigações.

– Como aconteceu tudo, delegada?

“Uma moça de 16 anos estava indo para o trabalho sábado de manhã e, para chegar ao ponto de ônibus, precisava passar por um matagal. O cara puxou a jovem para a mata, várias pessoas viram, como vizinhos e motoristas de ônibus, mas acharam que era briga de namorados. O homem colocou o braço em volta do pescoço dela, como se a estivesse abraçando. Ninguém fez nada!”

Pausa para uma breve digressão da repórter, porque o incômodo da delegada, agora, passou a ser meu também. Como as pessoas veem “um cara puxando uma mulher para uma mata” e não fazem nada?  E daí se achavam que era briga de namorados? Afinal, desde quando um namorado, um marido, um pai, um irmão ou até o papa pode tratar uma mulher de forma violenta? Sério que eles ainda viviam com a máxima de que “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”? Triste é constatar que sim, eles ainda criam neste disparate.

O desfecho da história choca ainda mais. O corpo da adolescente foi encontrado seis dias depois, em um chiqueiro. Ela havia sido estuprada e morta, por estrangulamento, com o cinto do agressor.

Acho que só consigo terminar este texto porque a delegada não desistiu do caso e porque o homem foi preso em fevereiro de 2013, conforme mostrou o trecho da reportagem acima. Um suspiro profundo meu… para conseguir voltar a digitar…

Sete anos depois…

2019. “Em briga de marido e mulher, o governo mete a algema no agressor”. O ditado mudou. E a determinação, agora, partia do chefe de Estado de Goiás, Ronaldo Caiado. O governador lançou, em novembro de 2019, o Pacto Goiano pelo Fim da Violência Contra a Mulher.

A redução dos índices de criminalidade contra as goianas deixou de ser mero discurso para se tornar política pública. Com metas, polícias integradas e monitoramentos constantes realizados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP). “O que estamos fazendo é uma convocação e uma determinação que dou a todas as autoridades de Goiás”, reforçou Caiado, no evento de lançamento da campanha “Todos por elas”.    

 

Sabrina já cumpria com empenho essa missão. Ela, que se formou em direito em uma universidade de Minas Gerais e veio para o Estado limítrofe depois de passar no concurso da Polícia Civil de 2008, diz que desde criança queria ser policial. Quando prestou o certame em Goiás, foi bem-sucedida nas três carreiras pré-selecionadas: agente, escrivã e delegada; esta última, a escolhida.

E quando falamos que a titular da Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos já cumpria a missão de defender as mulheres com compromisso, mesmo antes de uma determinação tão explícita quanto a de um governador, na verdade, o que pretendemos é ampliar esse conceito. Sabrina Lélis tem bem claro em mente qual a vocação de uma verdadeira delegada, não importando o gênero sexual da vítima:  

 

“Ser delegada significa ter orgulho da profissão e ter responsabilidade social. Muitas vezes não dá para separar trabalho de casa e se desligar completamente. Trabalhamos depois do expediente, os momentos de lazer são reduzidos. Não foram poucas as vezes que dormi e acordei pensando em algum caso para averiguar qual ponto poderia ser decisivo na investigação”, diz ela.

Do lado de cá, da sociedade, posso dizer que é isso mesmo que esperamos. Mais, aliás: que a frase “não devemos nos meter em briga de marido e mulher, ou de namorados…” caia por terra, literalmente. Ela, a frase, e também o comportamento, que caiam por terra; e não tantas jovens com vidas e sonhos interrompidos pela nossa omissão em não interferir no mal, e fazer, diligentemente, o bem.

Continue Lendo