Conecte-se conosco

Mundo

Gravação pode incriminar príncipe saudita à morte de jornalista, diz NY Times

Segundo matéria do ‘NY Times’, um dos 15 acusados pela morte do jornalista teria pedido para ‘avisar ao chefe’ sobre crime em suposto telefonema para assessor do príncipe. Saudita Jamal Khashoggi foi morto dentro do consulado de seu país em Istambul.

Publicado

em

Uma gravação ligada ao assassinato do jornalista Jamal Khashoggi está sendo vista como uma indicação de que o príncipe saudita Mohammed Bin Salman teria envolvimento direto no caso, de acordo com matéria desta segunda-feira (12) do “New York Times”.

Três pessoas que ouviram o conteúdo da gravação, coletada pela inteligência turca, disseram ao jornal que ela contém a voz de Abdulaziz Mutreb, um dos 15 acusados pela morte, conversando com um superior por telefone, pedindo a este que “avise ao seu chefe” que o trabalho havia sido feito.

Mutreb é um agente de segurança que viajava com frequência para acompanhar o príncipe Mohammed, ainda conforme o “NY Times”. E, segundo a inteligência turca, o telefonema gravado teria sido feito para um dos assessores do príncipe.

No entanto, o jornal também deixa claro que o nome de Mohammed Bin Salman não é citado em nenhum momento, e diz que Mutreb poderia estar mal informado sobre a origem da ordem.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Mãe de filha de Floyd desaba e chora: ‘Ele era bom, e não poderá levá-la ao altar’

Publicado

em

Por

George Floyd, morto após ter o pescoço pressionado por um policial nos Estados Unidos, deixou uma filha: Gianna. A mãe da menina se emocionou muito hoje, chorou e lamentou pelo fato de que ele não poderá ver a garota crescer e levá-la ao altar. “Eu não consigo organizar as minhas palavras agora, mas eu quero que todo mundo saiba que foi isso que aqueles policiais tiraram. No fim do dia, eles podem ir para casa e ver suas famílias. Gianna não tem mais pai. Ele nunca a verá crescer, se formar”, disse Roxie Washington

Ele nunca poderá levá-la para o altar [se Gianna se casar um dia]. Se ela tiver um problema e precisar do pai, ela não terá mais isso. Eu estou aqui pela minha bebê e estou aqui pelo George. Quero que seja feita justiça por ele”, acrescentou a mãe. Ela defendeu a honra de George como um homem inocente, que não merecia ter sido tratada daquela forma pelos policiais. “Eu quero justiça porque ele era bom. Não importa o que todos pensam, ele era bom”, afirmou a mulher, visivelmente emocionada. “Ele ficou tão feliz quando ela [Gianna] nasceu. Ele dormiu durante boa parte do meu trabalho de parto, mas se levantou rapidamente quando a ouviu chorar. Eu ainda tenho a imagem na memória

Continue Lendo

Mundo

Escalada de tensão aumenta nos EUA no 5º dia de protestos após a morte de George Floyd por policial

Publicado

em

Por

Após início pacífico, manifestantes incendiaram carros e entraram em choque com policiais em várias partes dos EUA. Governadores pedem reforço da Guarda Nacional, e prefeituras de diversas cidades, inclusive Los Angeles, impuseram toque de recolher.

Pelo 5º dia seguido, manifestantes voltaram a ocupar ruas de cidades em várias partes dos Estados Unidos em protestos contra o racismo após a morte do ex-segurança George Floyd durante uma abordagem policial em Minneapolis.

A escalada de tensão iniciada já na tarde de sábado (30) tomou proporções ainda maiores na madrugada deste domingo (31), quando os manifestantes desafiaram o toque de recolher imposto em pelo menos 7 cidades americanas, como Los Angeles e Minneapolis.

Na cidade onde Floyd foi sufocado por um policial e morreu, manifestantes atearam fogo em um prédio dos correios, e continuaram nas ruas, mesmo com a ordem do prefeito Jacob Frey para que voltassem para casa. A polícia fortemente armada reforçou a presença na cidade.

Por causa da violência, o presidente Donald Trump afirmou no Twitter que enviou militares para conter o vandalismo em Minneapolis, e criticou o prefeito democrata. “Se ela [Guarda Nacional] tivesse sido acionada há dois dias, não teria havido tantos estragos”.

Continue Lendo