Conecte-se conosco

Mundo

Guru indiano foragido, acusado de estupro e sequestro, anuncia criação de ‘país’ na costa do Equador

Nithyananda afirma que o lugar, Kailaasa, será a ‘maior’ e ‘mais pura’ nação hindu do mundo.

Publicado

em

Um guru indiano foragido, acusado de estupro e sequestro, anunciou na quarta-feira (4) a criação de um “país” na costa do Equador. Nithyananda, de 41 anos, que está foragido há mais de um ano, fez o anúncio em seu canal no YouTube. Ele afirmou que o lugar, com o nome de Kailaasa, será a “maior” e “mais pura” nação hindu do mundo.

De acordo com o jornal britânico “The Guardian”, a nação vai ser estabelecida em uma ilha privada na costa equatoriana, que foi comprada do governo do Equador com o dinheiro de um dos devotos do guru.

Já é possível fazer pedidos de “cidadania espiritual” e de um passaporte, que garantiria a “entrada livre em todas as 11 dimensões e 14 ‘lokas’ (os 14 mundos do hinduísmo), incluindo Kailaasa”.

Só hindus praticantes podem pedir a cidadania, e quem tiver interesse precisa fazer uma doação. Todos os pedidos de passaporte serão pessoalmente aprovados por Nithyananda.

A nação é autodescrita como “uma nação sem fronteiras criada por hindus sem posses de todo o mundo, que perderam o direito de praticar o hinduísmo autenticamente em seus próprios países”.

O governo de Kailaasa terá vários departamentos, incluindo Educação, Fazenda e Comércio. Também haverá um “Departamento de Civilização Iluminada”, que vai trabalhar para reviver o hinudísmo ortodoxo. De acordo com o jornal indiano “Times of India”, uma atriz do sul da Índia, conhecida como “Maa”, foi nomeada “primeira-ministra”, e Nithyananda está no processo de escolher seu gabinete

O sânscrito, o tamil e o inglês serão as línguas oficiais da nação, que também irá oferecer assistência médica universal, distribuição gratuita de alimentos, educação gratuita e “renascimento de um estilo de vida baseado no templo”, de acordo com o site oficial.

Acusações

No mês passado, a polícia do estado indiano de Gujarat invadiu o ashram (nome dado a retiros espirituais de religiões indianas) de Nithyananda na cidade de Ahmedabad, e prendeu dois gerentes. A operação ocorreu depois da libertação de várias crianças que teriam sido sequestradas e mantidas presas no lugar.

De acordo com um relatório da polícia sobre o caso, as crianças “foram abusadas verbalmente de forma horrível, foram espancadas”. Elas teriam sido sequestradas para coletar doações para o ashram.

Nithyananda também é acusado de ter estuprado uma de suas discípulas por cinco anos, durante sua permanência em um ashram, sob o pretexto de ajudá-la espiritualmente. Ele não compareceu ao julgamento do caso, no ano passado, segundo o “The Guardian”.

De acordo com o “Times of India”, ele também está sendo investigado por autoridades francesas por ter, supostamente, cometido fraude contra um de seus discípulos, no valor de US$ 400 mil (cerca de R$ 1,7 milhão). Segundo o jornal, a polícia de Gujarat vai pedir à Interpol um “alerta azul” para o indiano. Esse tipo de alerta é feito para obter mais informações sobre a identidade, localização ou atividades de alguém em relação a um crime.

Em 2014, uma de suas seguidoras morreu em circunstâncias misteriosas em seu ashram. Líderes do retiro alegaram que ela morreu de ataque cardíaco, mas a família disse suspeitar de jogo sujo, segundo o “The Guardian”.

Em 2010, também houve controvérsia ao redor do guru quando uma fita com conteúdo sexual, mostrando ele e uma atriz da etnia tamil, foi lançada.

O guru, que se autoproclamou um “homem-deus”, tem mais de uma dúzia de templos e ashrams em toda a Índia, de acordo com o “The Guardian”, mas já sofreu críticas por suas alegadas habilidades espirituais – como atrasar o nascer do Sol por 40 minutos, ser capaz de ver através de paredes e de ter curado 82 crianças cegas ao “abrir o terceiro olho” delas.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Covid-19: vacina de Oxford produz resposta imunológica “robusta” em idosos

Publicado

em

Por

Resultados preliminares dos testes realizados com a vacina da AstraZeneca contra o novo coronavírus, desenvolvida em parceria com a universidade de Oxford, mostraram uma resposta imunológica “robusta” em idosos. A informação é do jornal Financial Times.

Além disso, de acordo com o veículo, idosos tiveram pouca reações adversas à substância. Os resultados mostram que a vacina desencadeia a produção de anticorpos e células T em grupos de pessoas com idade mais avançada. Os detalhes devem ser publicados em breve em um veículos científicos.

A vacina da AstraZeneca já havia demonstrado bons resultados no grupo de adultos saudáveis (de 18 a 55 anos), de acordo com dados divulgados em julho.

“É encorajador ver que as respostas de imunogenicidade foram semelhantes entre adultos mais velhos e mais jovens e que as reações adversas foram menores em adultos mais velhos, onde a gravidade da doença covid-19 é maior”, afirmou um porta-voz da AstraZeneca à agência Reuters.

No Brasil, o imunizante é desenvolvido em parceria com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e o país deve adquirir 30 milhões de doses, independentemente do resultado dos testes. Mais 70 milhões de unidades podem ser produzidos de acordo com o avanço dos estudos. Ao todo, mais de cinco mil voluntários já participaram de estudos clínicos por aqui.

Outra vacina, a Coronavac, monopolizou as manchetes durante toda a semana passada depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), fez críticas à credibilidade do imunizante por sua origem, numa crítica à China.

Continue Lendo

Mundo

Às vésperas da eleição, Trump pressiona Brasil em busca de boas notícias nas relações exteriores

Publicado

em

Por

vinda ao Brasil da delegação dos Estados Unidos para anunciar um pacote com medidas que facilitam o comércio rapidamente se transformou em uma oportunidade de pressionar o País contra a presença da empresa chinesa Huawei no leilão do 5G.

Na avaliação de analistas ouvidos pelo Estadão, além de interesses comerciais, o governo de Donald Trump tenta gerar boas notícias nas relações exteriores, às vésperas das eleições americanas. Em um movimento contra a participação dos chineses no leilão de 5G, os americanos disseram estar dispostos a financiar “qualquer investimento” no setor de telecomunicações.

Uma delegação de autoridades americanas em visita ao Brasil atacou a China e deixou claro que espera que o País escolha empresas de outras nacionalidades. “Faz parte do ideário de Trump, de colocar oposição à China como principal item de sua política externa, embora as simplificações de comércio, como as que foram assinadas, não levem necessariamente a um acordo de comércio, já que o governo americano não pode negociar algo assim sem autorização do Congresso”, diz o ex-embaixador do Brasil em Washington Rubens Barbosa.

Ele avalia que a delegação americana aproveitou a viagem para oferecer empréstimos e facilidades ao Brasil, “colocando uma ‘cenourinha’ para que o Brasil exclua a China do leilão”. Para o consultor, o mais prudente seria que o Brasil esperasse o resultado das eleições nos EUA antes de decidir sobre o 5G. Para o também ex-embaixador Rubens Ricupero, que já foi ministro da Fazenda, é de interesse de Bolsonaro o anúncio de medidas de desburocratização do comércio com os americanos, para tentar tirar a impressão de que o Brasil só perdeu até agora nas negociações com a Casa Branca. “O Brasil só dá boas notícias para Trump, como na cota de isenção de tarifa para o etanol americano.

Continue Lendo
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com