Conecte-se conosco

Mundo

Homem mais rico da Índia reestrutura fábrica para doar oxigênio

Publicado

em

O homem mais rico da Índia, empresário Mukesh Ambani, reestruturou a própria fábrica só para levar oxigênio líquido gratuito para as pessoas necessitadas, vítimas da Covid.

Principal empresa do país, a Reliance Industries não é fabricante de oxigênio líquido, mas após um ano de pandemia, a empresa está produzindo durante 24 horas para suprir a falta do produto.

Com isso, a empresa de Ambani passou a ser a maior produtora do país a partir de um único local, fornecendo mais de 55 mil toneladas de oxigênio para as pessoas desde março de 2020.

Nova onda

Em sua refinaria e complexo petroquímico em Jamnagar e outras instalações, a Reliance está produzindo mais de 11% da produção total da Índia – atendendo às necessidades de quase cada 1 em 10 pacientes que precisam de tratamento que salva vidas em todo o país.

“Nada há mais importante do que salvar todas as vidas enquanto a Índia luta contra uma nova onda da pandemia COVID-19”, disse o presidente Mukesh Ambani em um comunicado .

A mudança para a produção de oxigênio de alta pureza de grau médico não foi muito difícil para os engenheiros da Reliance – a instalação principal já foi projetada para refino e oxigênio de grau petroquímico.

O oxigênio de grau médico deve ser produzido na forma líquida a -183 ° C com quase 99,5% de pureza. Isso representa desafios e riscos extraordinários na produção e maximização da tonelagem.

“Estou orgulhoso de nossos engenheiros em Jamnagar, que trabalharam incansavelmente, com um grande senso de urgência patriótica, para enfrentar este novo desafio …

[Eles] estiveram à altura da ocasião e entregaram quando a Índia mais precisa”, disse Ambani sobre sua equipe, que agora está levando alívio imediato a mais de 100.000 pacientes com COVID-19 diariamente.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

China relata primeiro caso humano de gripe aviária H10N3

Publicado

em

Por

  • Linhagem foi identificada em um homem de 41 anos em Jiangsu
  • Órgão chinês confirmou a informação, mas sem maiores detalhes sobre a contaminação
  • O paciente está estável e deve ter alta em breve

Um homem de 41 anos de Jiangsu, província do leste da China, foi confirmado como o primeiro caso humano de infecção da linhagem H10N3 da gripe aviária, informou a Comissão Nacional de Saúde chinesa (NHC) nesta terça-feira.

O morador da cidade de Zhenjiang foi hospitalizado no dia 28 de abril depois de desenvolver febre e outros sintomas, disse a NHC em um comunicado.

Ele foi diagnosticado com o vírus da gripe aviária H10N3 em 28 de maio. A comissão, porém, não deu detalhes de como o homem foi infectado.

O paciente está estável e pronto para ter alta do hospital. O acompanhamento médico de seus contatos próximos não detectou nenhum outro caso.

Detalhes da H10N3

A H10N3 é uma linhagem patogênica baixa, ou relativamente menos forte, do vírus em aves, e o risco de ela se disseminar em larga escala é muito baixo, acrescentou a NHC

A linhagem “não é um vírus muito comum”, disse Filip Claes, coordenador laboratorial regional do Centro de Emergência para Doenças Animais Transfronteiriças do Escritório Regional para a Ásia e o Pacífico da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Somente cerca de 160 exemplares do vírus foram relatados nos 40 anos transcorridos até 2018, a maioria em pássaros selvagens ou aves aquáticas da Ásia e de algumas partes limitadas da América do Norte, e nenhum foi detectado em frangos até agora, acrescentou.

  • Com informações da Agência Reuters
Continue Lendo

Mundo

Reino Unido registra zero morte por Covid-19 em 24 horas pela 1ª vez desde julho

Publicado

em

Por

Serviços de saúde registraram zero morte por Covid-19 em 24 horas no Reino Unido

Evolução é resultado de uma campanha de vacinação em massa no país

Apesar disso, preocupação com a variante indiana ainda é grande

Os serviços de saúde britânicos registraram nesta terça-feira (1º) zero morte por coronavírus em 24 horas pela primeira vez desde 30 de julho de 2020, apesar da preocupação no Reino Unido com o aumento de casos da variante Delta.

Embora os números no início da semana – segunda-feira foi feriado no Reino Unido – costumem ser muito baixos por um atraso nos registros, esta redução das mortes é uma boa notícia para o país da Europa mais castigado pela pandemia, com quase 127.782 mortes.

A melhora é resultado de uma campanha de vacinação em massa lançada em 8 de dezembro, que permitiu administrar uma primeira dose em mais de 39 milhões de pessoas (74,9% da população adulta) e uma segunda em mais de 25 milhões (48,9%).

Apesar de tudo, o país contabilizou nesta terça-feira 3.165 casos adicionais, o que leva o total a quase 4,5 milhões e indica um aumento dos casos em comparação com as últimas semanas.

Continue Lendo