Conecte-se conosco

Capital

Iris prepara novo anúncio de plano de reabertura gradual do comércio em Goiânia

Nas próximas semanas segmentos do comércio devem retornar as atividades seguindo protocolos, normas e recomendações de prevenção à Covid-19

Publicado

em

Em reunião realizada ontem, quinta-feira (28/5), o Comitê de Crise da Prefeitura de Goiânia discutiu com vários segmentos do comércio e serviço, estratégias para a reabertura gradual das atividades.

A ideia é começar a abertura por etapas, com os segmentos que apresentam menor risco de contágio da doença, e monitorar o retorno com uma avaliação diária da situação epidemiológica e da segurança com que estão atuando. Conforme o resultado, outros segmentos poderão ser liberados, desde que evitem aglomerações dentro dos empreendimentos, no transporte público e em deslocamentos pela cidade e garantam medidas seguras e rigorosas de prevenção à Covid-19.

Durante a reunião, os empresários se comprometessem a apresentar documentos com tais medidas. Será com base nesses documentos que as autoridades sanitárias irão avaliar a flexibilização das atividades econômicas. Cada segmento terá de apresentar um planejamento convincente que garanta o distanciamento social, a utilização de máscaras, disponibilização de álcool em gel, controle do fluxo de pessoas e outras ações importantes que possam evitar a disseminação do novo Coronavírus e o consequente aumento do número de casos na cidade.

“Sabemos que hoje há muitas atividades que voltaram a funcionar sem nenhum critério e segurança para as pessoas em geral, e se continuar assim teremos uma situação insustentável no serviço de saúde. Com o retorno planejado e o comprometimento dos empresários, podemos mudar isso, fazer com que o funcionamento seja seguro”, destacou a secretária de saúde de Goiânia, Fátima Mrué.

Na segunda-feira (1º/5) já poderão reabrir os mercados, imobiliárias e os treinamentos dos clubes de futebol ficam liberados. No mesmo dia, haverá reuniões do Gabinete de Crise da Prefeitura de Goiânia e do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COE) de Goiânia, com a participação de representantes do setor empresarial.

Nos dois encontros serão apresentados os resultados da discussão inicial com os empresários e uma prévia do planejamento para o retorno gradativo das atividades. No decorrer da semana, esse planejamento será aprimorado com a participação dos empresários que se mostraram compreensivos com a situação de pandemia e comprometidos com o funcionamento diferenciado que terão que adotar.

“Fizemos uma projeção para os próximos dois meses com um plano de reabertura e por isso precisaremos do apoio de todos. Temos que ter cautela, seguir todas as orientações. A Prefeitura não quer que o comércio continue fechado, mas não podemos abrir tudo ao mesmo tempo”, destaca a secretária Fátima Mrué.

“Temos que tomar medidas seguras para que não haja um grande aumento nos casos, para que os investimentos na rede hospitalar sejam suficientes para a demanda de casos mais graves e que, a partir de agosto, a vida retorne praticamente ao normal, mesmo que com restrições e proteção, já que ainda não temos uma vacina ou remédio eficaz para a doença”, comenta a secretária.

Para alertar os empresários, Fátima Mrue fez uma explanação com dados sobre disponibilização de UTI’s, isolamento social e projeção de casos e contágio da COVID em Goiânia até o final de julho. No melhor cenário, os dados mostram cerca de 200 mortes e no pior, 2 mil, aí com o possível endurecimento da quarentena e o fim da flexibilização.

Já o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedetec), Walison Moreira, trouxe dados sobre os riscos avaliados de cada segmento levando em conta, questões sanitárias, permanência de pessoas e aglomeração.

O presidente da Federação do Comércio de Goiás (Fecomércio), Marcelo Baiochi, ressaltou que os empresários querem ser parceiros da Prefeitura, mas precisam de uma data para planejarem a reabertura dos negócios. “Nós preferimos ficar com a porta aberta vendendo pouco do que ficar fechados sem perspectiva. O comércio é parte da solução dos problemas, da geração de empregos e renda, por isso seguiremos todos os protocolos exigidos”, comenta.

Participaram reunião com os segmentos empresariais no Paço, o Procurador Geral do município, Brenno Kelvys, a secretária de Planejamento e Habitação, Zilma Precurssor, além do comandante da Guarda Civil Metropolitana, Wellington Paranhos .

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Capital

MP-GO recomenda à CMTC não fechar terminais de ônibus sem estudo técnico prévio

Publicado

em

Por

O Ministério Público de Goiás (MP-GO), por intermédio da 70ª Promotoria de Justiça de Goiânia e da Área do Meio Ambiente e Consumidor do Centro de Apoio Operacional (CAO), expediu recomendação à Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) para que não feche terminais e só promova alteração operacional no sistema de transporte da Região Metropolitana de Goiânia após realizar estudo técnico.

De acordo com os promotores de Justiça Maria Cristina de Miranda e Delson Leone Júnior, a CMTC deverá observar que as ações para resguardar a saúde pública, em especial contra o contágio pelo novo coronavírus, devem ser pautadas em evidências científicas e análises sobre as informações estratégicas em saúde. “Diante da possibilidade de interdição dos terminais, o MP recomenda à CMTC maior garantia de segurança e saúde aos usuários do transporte coletivo”, afirma Miranda.

Foi recomendado que a CMTC se abstenha de fechar ou impedir a entrada, pelos usuários, nos terminais de ônibus da Região Metropolitana de Goiânia, sem que seja realizado o estudo prévio. Segundo o documento, deverão ser apontadas quais linhas serão implantadas, definidas as rotas, instalados abrigos e promovida ampla divulgação, indicando a garantia de saúde e segurança dos usuários, sob pena de responsabilidade pessoal do agente público que executar ato contrário ao interesse público, ou sem a devida fundamentação técnica.

O MP-GO recomendou também que a CMTC, para suas deliberações e execuções, apresente à Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC) e ao Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COE/SMS) estudo técnico que identifique as peculiaridades do transporte público coletivo da Região Metropolitana de Goiânia, e as características específicas da mobilidade local, preferencialmente por meio de pesquisa de origem e destino. Foi dado prazo de 24 horas para o envio de informações sobre o acatamento da recomendação

Ao expedir a recomendação, os promotores de Justiça levaram em consideração o Código de Defesa do Consumidor, que define ser direito básico do consumidor a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral e que os fornecedores de serviços públicos devem obrigatoriamente prestar serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos.

Observaram ainda que a Lei Federal nº 8.987/95 (Lei das Concessões) preconiza que toda concessão ou permissão pressupõe a prestação de um serviço adequado ao pleno atendimento aos usuários, definindo como serviço adequado aquele que satisfaz as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas. (Texto: João Carlos de Faria/Foto: João Sérgio – Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

Continue Lendo

Capital

UPDATE COVID | Confira último boletim da SME sobre a pandemia na capital

Publicado

em

Por

Diariamente a Secretaria Municipal de Saúde divulga boletim atualizado da pandemia do Coronavírus

Veja abaixo

Continue Lendo
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com