Conecte-se conosco

Estado

Lançado por Caiado, Plano Safra 2020/2021 vai injetar R$ 18 bilhões em Goiás

Durante lançamento, governador destacou a importância do agronegócio para a retomada econômica do País e afirmou que vai buscar mais créditos para os produtores goianos junto ao governo federal

Publicado

em

“Não existe quem represente mais o crescimento e o potencial do País do que o produtor rural”, afirmou o governador Ronaldo Caiado durante o lançamento do Plano Safra 2020/2021 para o Estado, realizado nesta quarta-feira, 24, no Palácio das Esmeraldas. A iniciativa deve destinar aos produtores goianos mais de R$ 18 bilhões para o financiamento de investimentos no setor agropecuário. O valor foi estimado a partir do Plano Safra 2020/2021 nacional, lançado pelo Governo Federal no dia 17 de junho, que anunciou R$ 236,2 bilhões em crédito para fomentar a produção agropecuária brasileira.

“Nós estamos vendo um segmento altamente qualificado, tecnificado, com pesquisas avançadas e cada vez mais evoluindo. Isso é motivo de orgulho para todos nós”, destacou Caiado. Os recursos do Plano Safra para Goiás estarão disponíveis aos produtores a partir do dia 1º de julho, junto às instituições financeiras.

O presidente da Assembleia, deputado Lissauer Vieira, o deputado federal, José Mário Schreiner, que é presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), e o superintendente estadual do Banco do Brasil em Goiás, Felipe Zanella, participaram do Lançamento do Plano Safra para o Estado e destacaram a força do setor agropecuário para a economia goiana. O evento contou também com a presença de entidades representativas do setor, representantes de instituições financeiras e imprensa – seguindo protocolos de segurança e sem aglomerações.

Em Goiás, o setor agropecuário se mantém como um dos principais pilares da economia, mesmo com a crise sanitária provocada pela pandemia do novo coronavírus. O Estado é hoje o terceiro maior produtor de grãos do Brasil, com estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do setor agropecuário em 18% no primeiro trimestre, enquanto a expectativa nacional de crescimento é de 1,9%. “Nossa situação é crescente, não é uma situação estagnada. Sabemos dos desafios que nós temos, mas nós temos tudo para chegarmos ao primeiro lugar”, avaliou o governador.

Para Caiado, a crescente demanda por alimentos no mercado internacional pós-crise revela um cenário positivo para o agronegócio, que será fundamental para a recuperação econômica do País. “Eu sempre disse, desde o início da pandemia, que seremos o primeiro País a sair da crise, e o Estado de Goiás também”, enfatizou o governador. Segundo ele, a capacidade nacional de produção em escala dá ao Brasil condições diferenciadas para a recuperação econômica e para oferecer segurança alimentar não só aos brasileiros, mas a outros países.

A estimativa é que, no Brasil, a produção de grãos chegue a 250,5 milhões de toneladas na safra 2019/2020, com aumento de 3,5% em relação à safra 2018/2019. No Estado de Goiás, a expectativa de produção é de 26,7 milhões de toneladas, em uma área superior a seis milhões de hectares, o que representa aumento de 8,7% em relação à safra anterior. “Isso para nós é uma garantia de que teremos comida na mesa do goiano, do brasileiro, e que o Brasil terá condições diferenciadas no exterior”, avaliou o governador.

Segundo os últimos números divulgados pelo Ministério da Economia, o agronegócio goiano exportou 2,45 bilhões de dólares e representa 79% das exportações do Estado. O valor representa, ainda 5,8% da participação do agro goiano em relação ao que é exportado pelo Brasil.

Mais recursos

Caiado comemorou o avanço na oferta de subsídios aos produtores rurais. Entretanto, assegurou que vai continuar lutando pela ampliação dos recursos e por uma taxa de juros mais baixa. “Nós vamos brigar para termos mais crédito. Vamos continuar brigando com o Paulo Guedes [ministro] para baixarmos essa taxa de juros. Não é possível nós estarmos com uma Taxa Selic de 2,25% e estarmos pagando uma taxa de juros de 6%. Nós temos que entender que é hora de nós lutarmos, esse é um ponto importantíssimo para a economia do Estado de Goiás. A taxa hoje é injusta com o produtor, nós precisamos trabalhar mais nisso”, ponderou.

De acordo com o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Carlos de Souza Lima Neto, o Plano Safra é uma importante política pública de sustentabilidade do plano econômico do País. Além de recursos para custeio e comercialização, e para pequenos produtores, o Plano também contará com recursos de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural, linhas de crédito voltadas à sustentabilidade no setor rural e financiamento de recursos voltados à inovação tecnológica no campo. O secretário lembrou ainda que Goiás tem a maior captação de crédito por produtor. “Na safra passada, foram cerca de 15 mil projetos para tomada de crédito pelo Pronaf. Temos a certeza de que esses recursos vão contribuir ainda mais para o crescimento do nosso Estado”, concluiu.

Para o vice-governador Lincoln Tejota, com tecnologia e inteligência Goiás tem condições para ampliar ainda mais os resultados, já que países como China e Índia dependem da importação de commodities. “Com os números que Goiás tem hoje, eu tenho convicção de que com a liderança do governador Ronaldo Caiado e com trabalho em equipe nós construiremos um Estado mais forte. Há motivos de sobra para comemorar”.

Ranking da produção

De acordo com as estatísticas divulgadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Goiás é hoje o primeiro lugar na produção de tomate (1,13 milhões de toneladas) e de sorgo (1,34 milhões de toneladas); segundo lugar na produção de cana-de-açúcar (75,78 milhões de toneladas) e girassol (31,4 mil toneladas) e na criação de bovinos (22,65 milhões de cabeças). Além de ser o terceiro lugar na produção de grãos, também ocupa a mesma colocação na produção de soja (12,46 milhões de toneladas), milho (12,27 milhões de toneladas) e caroço de algodão (100,2 mil toneladas). Aparece, ainda, como destaque sua produção de feijão (320,7 mil toneladas) e de leite (3,08 bilhões de litros), o que faz do Estado o quarto lugar nessas produções no ranking nacional.

Se observado o retorno financeiro dessa produção para a economia, o Valor Bruto de Produção Agropecuária (VBP), em Goiás, é o quinto maior entre os estados, chegando a R$ 56,9 bilhões – que corresponde a 8,1% do VBP nacional que está estimado em R$ 703,8 bilhões – segundo a última atualização da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O valor representa crescimento de 9,8% em relação ao ano anterior e a variação de crescimento também é superior à média nacional, que foi de 8,5%. Separado por categoria, em Goiás, o VBP da Agricultura está estimado em R$ 38,2 bilhões (crescimento de 13,3% em relação a 2019), enquanto o da Pecuária está estimado em R$ 18,7 bilhões (aumento de 3,4% em relação ao ano anterior).

O crescimento da produção também gera emprego e renda nos municípios goianos. O Produto Interno Bruto goiano (PIB) tem estimativa de crescimento de 3,4% no primeiro trimestre do ano, em comparação ao mesmo período de 2019 e o grande destaque se dá em relação ao setor da agropecuária, cuja estimativa aponta para crescimento de 18,0% no Estado no mesmo período, enquanto no País o setor teve crescimento de 1,9%.

Secretaria de Estado da Comunicação – Governo de Goiás

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Senador Vanderlan busca recursos e equipamentos no Ministério da Saúde para municípios goianos combaterem a Covid-19

Publicado

em

Por

O senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) acompanhado do prefeito de Quirinópolis, Gilmar Alves, do vice-prefeito de Aparecida de Goiânia, Veter Martins e do secretário municipal de saúde de Aparecida de Goiânia, Alessandro Magalhães, estiveram reunidos na manhã desta segunda-feira (13), com ministro interino da saúde, general Eduardo Pazuello. A comitiva tratou de diversos assuntos referentes ao combate ao novo Coronavirus em Goiás e, especialmente, em Aparecida de Goiânia e Quirinópolis.


“Nós trouxemos ao ministro algumas demandas importantes para esses dois municípios que se tornaram pólos de atendimentos para diversas outras cidades próximas a eles. São necessidades como respiradores, testes, tomógrafos, enfim, equipamentos e recursos necessários para dar continuidade ao enfrentamento desta pandemia”, disse o senador.

O senador falou ainda que existe a possibilidade de estruturar melhor as cidades que estão servindo de apoio para outras no atendimento aos casos de Covid-19. “Ficamos muito satisfeitos com esse encontro, pois o ministro Pazuello se mostrou muito sensível às nossas demandas e tenho certeza que logo teremos o reforço necessário para que os municípios goianos enfrentem essa triste pandemia”, disse o senador.

Recursos e equipamentos – Desde o início da pandemia, em março deste ano, que o senador vem concentrando esforços na luta contra o coronavirus e em prol da saúde da população. Através de emendas parlamentares, Vanderlan destinou mais de R$ 20 milhões para a saúde e os recursos chegaram aos cofres de 85 municípios no dia 27 de abril.

Ao unir esforços com o deputado federal Francisco Júnior, os dois parlamentares conseguiram destinar, ainda, R$ 21.942.323,20 para o Hospital de Campanha Estadual (Hospital do Servidor), Hospital de Campanha de Goiânia (Maternidade Oeste), Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás, Hospital de Campanha de Aparecida de Goiânia e para mais 45 municípios goianos.

No último dia 2 de julho, Vanderlan anunciou a liberação de mais recursos que, dessa vez, foram indicados para mais 191 municípios goianos aplicarem no combate à Covid-19. “Esse dinheiro vai cair direto nas contas dos Fundos Municipais de Saúde de cada município, sem precisar de intermediários”, explicou o senador.
Vanderlan foi responsável, ainda, pela destinação de Tomógrafos, no valor de R$ 5.760.000,00, para os municípios de Iporá, Goianira, Catalão e Trindade. Ao todo, 95 respiradores foram enviados a diversos municípios de Goiás por meio do senador.

Doação – Através de parceria entre o Grupo Cicopal e a Universidade Federal de Goiás (UFG), seis mil Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s), máscaras de proteção facial em PVC, foram produzidos e distribuídos para os profissionais de saúde de Goiás. “Desde o início dessa crise sanitária, estamos trabalhando, de todas as formas e com todos os recursos que temos, para que possamos vencer essa batalha”, observou Vanderlan.

Continue Lendo

Estado

Confira aqui o novo decreto do governo de Goiás que estabelece novas medidas e aberturas de comércio e isolamento social

Publicado

em

Por

Confira abaixo na íntegra o novo decreto do governo de Goiás que estabelece novas regras para o comércio e população

ESTADO DE GOIÁS

SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL

DECRETO Nº , DE DE DE 2020

Altera o Decreto nº 9.653, de 19 de abril de 2020.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, também tendo em vista que o Ministério da Saúde, por meio da Portaria nº 454, de 20 de março de 2020, declarou, em todo o território nacional, o estado de transmissão comunitária do novo coronavírus (COVID-19), e considerando os protocolos a serem observados pelas atividades econômicas e não econômicas durante o período de funcionamento mencionado no artigo 2º do Decreto nº 9.653, de 19 de abril de 2020, com a redação dada pelo Decreto nº 9.685, de 29 de junho de 2020,

DECRETA:

Art. 1º O Decreto nº 9.653, de 19 de abril de 2020, passa a vigorar com os seguintes acréscimos e alterações:

“Art. 3º ……………………………………………………………………………………..

I – todos os eventos públicos e privados de quaisquer natureza, desde que presenciais, inclusive reuniões, espaços comuns de condomínios verticais e horizontais destinados exclusivamente ao lazer tais como churrasqueiras, piscinas, salões de jogos e festas, espaços de uso infantil, salas de cinemas e/ou demais equipamentos sociais que ensejem aglomerações e que sejam propícios à disseminação da COVID-19;

II – a visitação a presídios e a centros de detenção para menores, ressalvadas as condições previstas no § 1º deste artigo;

……………………………………………………………………………………………………..

VII – boates e congêneres;

……………………………………………………………………………………………………..

§ 1º ………………………………………………………………………………….

§ 2º O funcionamento de atividades econômicas e não econômicas deve se dar sem prejuízo dos protocolos de funcionamento expedidos por autoridade sanitária, do uso de máscaras, da manutenção do distanciamento entre pessoas e proibição de aglomerações.” (NR)

“Art. 6º As atividades econômicas e não econômicas em funcionamento por serem consideradas essenciais ou aquelas retomadas após o período de suspensão, além da adoção dos protocolos específicos disponibilizados na página eletrônica www.saude.go.gov.br/coronavirus (protocolos de funcionamento de atividades), devem:

……………………………………………………………………………………………………..

§ 1º Os bares e restaurantes no período em que autorizados a funcionar, além dos protocolos específicos, deverão observar a lotação máxima de cinquenta por cento de suas capacidades de acomodação.

§ 2º Os eventos esportivos realizados no Estado de Goiás poderão ser executados desde que os portões estejam fechados para acesso ao público, com especial observância aos protocolos específicos para a atividade disponibilizados na página eletrônica www.saude.go.gov.br/coronavirus (protocolos de funcionamento de atividades).” (NR)

“Art. 12 As autoridades administrativas competentes ficam incumbidas de fiscalizar eventual desrespeito às disposições deste Decreto, abuso de poder econômico no aumento arbitrário de preços dos insumos e serviços relacionados ao enfrentamento da COVID-19, bem como violação do artigo 268 do Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal).

……………………………………………………………………………………………………………..

§ 2º O descumprimento das regras estabelecidas neste Decreto e nos protocolos específicos da Secretaria Estadual da Saúde poderá, mediante fiscalização das Vigilâncias Sanitárias estadual e municipais, ensejar aplicação das penalidades previstas no art. 161 da Lei nº 16.140, de 2 de outubro de 2007 e demais normas de regência, em especial multa, interdição do estabelecimento e cancelamento do alvará sanitário.” (NR)

“Art. 15-A. As atividades presenciais de organizações religiosas, nos períodos em que autorizado o funcionamento, sem prejuízo da observância, no que couber, das normas gerais previstas no artigo 6º deste Decreto, especialmente o uso obrigatório de máscaras,

deverão também observar protocolos específicos estabelecidos pela Secretaria de Estado da Saúde e disponibilizados na página eletrônica www.saude.go.gov.br/coronavirus (protocolos de funcionamento de atividades).” (NR)

“Art. 17. As suspensões e flexibilizações de atividades previstas neste Decreto, bem como o revezamento previsto no art. 2º, tanto em relação à necessidade quanto ao prazo, poderão ser revistos a qualquer momento, conforme análise da evolução da situação epidemiológica.” (NR)

Art. 3º Ficam reenumerados como § 1º, o parágrafo único do art. 3º e o parágrafo único do art. 6º, do Decreto nº 9.653, de 19 de abril de 2020.

Art. 4º Fica revogado o inciso VIII do art. 3º do Decreto nº 9.653, de 19 de abril de 2020.

Art. 5º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Continue Lendo
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com