Conecte-se conosco

Brasil

Maia muda tom contra Bolsonaro e diz que “há chance de ruptura institucional”

Publicado

em

Prestes a deixar a Presidência da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) mudou o discurso e agora fala que há risco de “ruptura institucional” caso o candidato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao comando do Legislativo, Arthur Lira (PP-AL), vença a eleição.

“Houve e há uma chance de ruptura institucional. A eleição da Câmara é um divisor de águas nesse assunto. Acho que o presidente da Câmara precisa ser alguém que não seja dependente do governo e que não deva sua eleição ao presidente da República. Com isso, o presidente [Jair Bolsonaro] se sentirá forte o suficiente para ampliar o conflito com as instituições democráticas, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal”, disse Maia ao jornal Folha de S.Paulo.

A mudança de discurso chama a atenção porque, desde o início do governo Bolsonaro, Maia nunca manifestou risco de real abalo à democracia a ponto de engavetar 60 pedidos de impeachment contra o presidente.

Em oposição a Bolsonaro, Maia conteve o andamento das pautas de extrema-direita e distribuiu uma coleção de notas de repúdio contra os discursos antidemocráticos do chefe do Executivo, mas capitaneou ações na área econômica que agradaram ao mercado, como a reforma da Previdência, ou deram impulso à popularidade do presidente, como o auxílio emergencial de R$ 600 durante a pandemia.

O mandato de Maia, que começou em 2016, termina nesta segunda-feira (1º), totalizando quatro anos, seis meses e 19 dias de comando, o que o tornou o mais longevo presidente da Câmara de forma ininterrupta desde Ranieri Mazzilli (1958-1965).

Em contraponto a Bolsonaro, Maia contribuiu para estabilizar o mandato de Michel Temer (2016-2018), do MDB, envolvido em escândalos de corrupção e salvo de um processo de impeachment.

Nos quatro anos e meio da gestão Maia, a Câmara colocou em andamento uma forte agenda pró-mercado. Além da Previdência, foram aprovadas a emenda constitucional de congelamento dos gastos federais, a reforma trabalhista, a alteração das regras de exploração do pré-sal, a liberação das empresas para terceirizar atividades-fim, entre outras.

Maia diz que, nesse período, seus maiores erros foram não ter avançado na reforma tributária e ter aceitado que o governo levasse a chamada PEC Emergencial, pacote de medidas de corte e controle das despesas públicas, para o Senado, que não a votou.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Pela 1ª vez, Brasil registra mais de 200 mil casos conhecidos de Covid em 24 horas; mortes também apontam alta

Publicado

em

Por

O Brasil registrou nesta quarta-feira (19) o recorde de 205.310 novos casos conhecidos de Covid-19 em 24 horas, chegando ao total de 23.420.861 diagnósticos confirmados desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi a 100.322 – a maior marca registrada até aqui, superando pela primeira vez o patamar de 100 mil diagnósticos diários (e o recorde do dia anterior).

Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +487%, indicando tendência de alta nos casos da doença.

Brasil, 19 de janeiro

  • Total de mortes: 621.927
  • Registro de mortes em 24 horas: 349
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 215 (variação em 14 dias: +114%)
  • Total de casos conhecidos confirmados: 23.420.861
  • Registro de casos conhecidos confirmados em 24 horas:205.310
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 100.322 por dia (variação em 14 dias: +487%)
Continue Lendo

Brasil

Bolsonaro é proibido pela Justiça Federal de usar o termo “lepra”

Publicado

em

Por

  • Bolsonaro está proibido de usar o termo “lepra” em suas manifestações públicas
  • A decisão foi da 3a Vara Federal do Rio de Janeiro
  • Os demais integrantes da União também devem respeitar a determinação

A Justiça Federal determinou que o presidente Jair Bolsonaro fique proibido de usar o termo “lepra” em suas manifestações públicas.

Continue Lendo