Conecte-se conosco

Brasil

Maior hidrelétrica do Sudeste atinge 0% de nível e opera com reservatório abaixo do limite

Publicado

em

O reservatório da usina hidrelétrica de Ilha Solteira atingiu 0% do seu nível operacional nesta quarta-feira (15), após bater níveis críticos nesta segunda-feira (13), resultado de uma queda abrupta no nível da represa em apenas duas semanas.

Entre os dias 1º e 15 de setembro, o lago de Ilha Solteira despencou de quase 22% para o atual 0%. A queda fica ainda mais nítida se comparado com o início de agosto, quando o reservatório da usina às margens do Rio Paraná na divisa entre São Paulo e Mato Grosso do Sul acumulava 40% de sua capacidade.

Naquele momento muitas represas, sobretudo no Triângulo Mineiro, já guardavam pouco mais de 10% do possível.

Terceira maior hidrelétrica em operação no país, Ilha Solteira tem capacidade de gerar 3.444 MW com 20 unidades geradoras, o suficiente para abastecer o Rio de Janeiro e Recife, aproximadamente. Desde Agosto, no entanto, vinha gerando cerca de 30% disso de forma a preservar a água do reservatório.

Nesta terça-feira, já com a represa próxima do zero operacional, a usina gerou pouco menos da metade do potencial.

Segundo a estatal chinesa CTG Brasil, concessionária da usina, o nível do reservatório nesta quarta-feira é de 322,94m, correspondente a -1,09% do volume armazenado, quando considerado o nível mínimo de 323m estabelecido pelos órgãos reguladores.

Em nota, o ONS (Operador Nacional do Sistema) defendeu a redução no nível da represa, afirmando que os dados oficiais apresentados têm como referência o volume útil, definido na outorga da Agência Nacional de Águas (ANA), que considera a cota de 323 metros para não interromper o funcionamento da hidrovia Tietê-Paraná.

A nota afirma ainda que “o valor de 0,0% não quer dizer que o reservatório da usina esteja vazio. Se considerarmos o nível mínimo de projeto, cuja cota é 314 metros, o reservatório encontra-se com 56,72% do seu armazenamento. Como autorizado pela Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG), o Operador está autorizado a chegar à cota de 314 metros e está comprometido em fazer a melhor gestão de recursos no atual cenário”.

De acordo com a concessionária, se for considerado o nível mínimo de projeto, cuja cota é 314m, o nível de hoje corresponde a 56,72% do volume útil total do reservatório.

“Irresponsabilidade”

Nesta terça-feira (14) foi realizada nova reunião do Grupo de Trabalho da crise na bacia do rio Paraná — cujos reservatórios estão atualmente com menores níveis observados em 90 anos — com autoridades de Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Mato Grosso do Sul, além da ANA (Agência Nacional de Águas), e, excepcionalmente o ONS e os ministérios de Minas e Energia e Infraestrutura.

Nela, a ANA demonstrou preocupação com a exploração hidrelétrica em níveis abaixo do estabelecido pelas outorgas emitidas pelo órgão.

A agência chamou atenção ainda para possíveis ocorrências de impactos, de quantidade e de qualidade da água, nos demais usos em decorrência de níveis muito baixos, e que os agentes devem elaborar um levantamento dos possíveis impactos e promovam medidas para mitigá-los. Um estudo de impactos estaria sendo elaborado pelo ministério de Minas e Energia, porém sem prazo para apresentação.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Juiz, advogados e até ex-policiais: esquema causa prejuízo de mais de R$ 18 milhões a vítimas

Publicado

em

Por

Quadrilha conseguia levantar milhões de reais por meio de decisões manipuladas na Justiça

O juiz Levine Raja Artiaga seria um dos líderes e está sendo investigado

Uma apresentadora de TV de Goiás foi uma das beneficiadas pelo esquema

Uma quadrilha que contava com a participação de um juiz causou um prejuízo de pelo menos R$ 18 milhões por meio de histórias mentirosas contadas na Justiça. Foi o que mostrou o programa Fantástico, da TV Globo, no último domingo (24).

O esquema está sendo denunciado ao Ministério Público e teria como um dos líderes o juiz Levine Raja Artiaga, que seria responsável por decisões que beneficiaram estes criminosos

.Para não se expor, o juiz teria contato apenas com uma pessoa da quadrilha, responsável por conversar com os oito advogados que cuidavam dos falsos processos e lhe encaminhavam o dinheiro do golpe.

O esquema contaria ainda com dois ex-policiais, que tinham a função de escolher as vítimas, sempre pessoas com contas bancárias volumosas e sem movimentação há algum tempo.

O golpe consistia em fazer com que o dinheiro destas contas fosse transferido para os “clientes”, que se beneficiavam das decisões arranjadas de Artiaga.

Continue Lendo

Brasil

Entenda porque a COP26 é determinante para o futuro do planeta

Publicado

em

Por

COP26 acontecerá em Glasgow, na Escócia, e reunirá 197 países do mundo

Principal preocupação da conferência é com a mudança climática, que pode levar o mundo a eventos extremos

Expectativa é que países desenvolvidos e em desenvolvimento consigam firmar novos acordos e compromissos para evitar o aumento da média da temperatura global

O mundo tem experimentado verões mais quentes, com fortes ondas de calor, além de furacões e incêndios florestais. Com isso, a preocupação pública com a mudança climática chegou ao auge em toda a história, às vésperas da Conferência da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática em Glasgow, na Escócia, que começa no dia 31 de outubro.

O resultado deste encontro, também conhecido como COP26, pode ser o fator mais importante para determinar se a humanidade vai sofrer as piores consequências das mudanças climáticas.

Entender o que vai acontecer em Glasgow é chave para saber que futuro nos espera no Planeta Terra. Para desmistificar esses processos, o Yahoo! Notícias respondeu algumas das perguntas mais frequentes sobre a COP26.

O que é mudança climática e por que isso importa?

A mudança climática se refere aos efeitos do aquecimento global – um aumento de temperatura média global de 1,2ºC – registrado desde o começo da Era Industrial, no fim do século 19. Conforme os humanos queimam combustíveis fósseis como carvão, óleo e gás natural, os gases de efeito estufa ficam concentrados na atmosfera. É o caso do dióxido de carbono, que captura calor e aumenta as temperaturas.

Os eventos disso já estão sendo sentidos, como:

Aumento do nível do mar

Eventos climáticos extremos

Se não houver uma mudança de rumos, a emissão de gases de efeito estufa vão leva a mais graus de aumento de temperatura, o que pode gerar resultados devastadores para pessoas que vivem em áreas de vulnerabilidade.

O que vai acontecer em Glasgow?

No total, 197 países vão participar da COP26 em Glasgow. Quase todas as nações vão tentar negociar uma atualização do Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, acordo climático feito em 1992.

Desde 1995, todos os anos houve conferências entre os signatários do documento, as COPs. O primeiro acordo para limitar a emissão de gases do efeito estuda foi o Protocolo de Kyoto, firmado no Japão, em 1997. Kyoto foi a COP3.

Na maior parte dos anos, a COP é dedicada a discutir detalhes mais simples da implementação do que já existe nos acordos. Mas, a cada seis anos, há uma conferência mais importante para tentar atualizar o que já havia sido firmado.

O último acordo aconteceu em 2015, em Paris. Os países concordaram em se reunirem depois de 5 anos para atualizar os compromissos e fortalecer o acordo. No entanto, com a pandemia de covid-19, a COP teve de ser adiada de 2020 para 2021.

Quando será a COP26?

A conferência acontecerá entre os dias 31 de dezembro e 12 de novembro.

Quem estará lá?

Enquanto as verdadeiras negociações são conduzidas por oficiais de alto nível dos governos, como ministros do Meio Ambiente, diversos chefes de estado farão aparições e discursos, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

A delegação norte-americana será a maior do evento e o líder será o ex-secretário de Estado John Kerry. O Brasil, por sua vez, terá a segunda maior delegação, mas o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) não confirmou presença na COP26.

Grandes corporações e grupos que advogam pelo meio ambiente serão responsáveis por apresentar painéis e fazer apresentações no evento. Ativistas planejam fazer marchas e manifestações perto do evento.

Por que o Acordo de Paris precisa ser atualizado e reforçado?

Em Paris, as nações concordaram em limitar o aquecimento global em 2ºC acima da média da era pré-industrial, e se comprometeram em fazer um esforço para manter o aquecimento abaixo de 1,5ºC. No entanto, no ritmo em que o mundo está hoje, a expectativa hoje é que o aumento da temperatura seja de 2,7ºC até o final deste século.

Projeções científicas sugerem que o aquecimento no índice como vemos hoje deverá levar a consequências muito perigosas: ondas de calor brutais, grandes tempestades, aumento do nível do mar e aumento das queimadas florestais.

A esperança em Paris era que os países trocassem a matriz energética para a solar ou a eólica, caso estejam comprometidas em fazer acordos mais ambiciosos para cortas emissões no próximo acordo.

O que fará com que Glasgow seja um sucesso?

Se a COP26 for um sucesso, os países vão negociar um acordo para limitar o aquecimento global e, ainda, devem especificar o que cada um deve fazer para limitar suas emissões. Mas, além disso, as nações também vão precisar acordar em ajudar países em desenvolvido, que precisam de apoio para reduzir as emissões e chegar no patamar desejado.

Por que ter fé em todo esse processo?

Prevenir mudanças climáticas catastróficas requer que todos os países participem desse plano de ação. A COP26 pode, pelo menos, levar todos os países para a mesa de negociação. À exceção de certos retrocessos, o processo já indica uma melhora na situação: todas as nações se comprometeram a combater a mudança climática, diversos governos prometeram cortar suas emissões e até países em desenvolvimento, que antes não estavam dispostos, entendem que é preciso se comprometer com planos de ação contra a mudança climática.

Os acordos climáticos também criaram mecanismos para arrecadar fundos de países mais ricos, que são responsáveis pela vasta maioria das emissões de carbono, e distribuir o dinheiro para países em desenvolvimento que precisam se adaptar à mudança climática e crescer economicamente sem o uso de combustíveis fósseis.

Continue Lendo