Conecte-se conosco

Mundo

Menino de 14 anos mata os cinco membros da família nos EUA

Publicado

em

Um menino de 14 anos atirou e matou todos os cinco membros de sua família no estado americano do Alabama e depois chamou a polícia, confessando o crime – informou a polícia local nesta terça-feira (3).
Três das vítimas foram encontradas mortas no local, uma casa em Elkmont. As outras duas morreram depois de serem transportadas de avião para um hospital regional.

O menino de 14 anos foi interrogado e confessou ter matado todos os cinco membros de sua família”, relatou o xerife do condado de Limestone no Twitter

“No momento, ele está ajudando os investigadores a localizar a arma, uma pistola de 9 mm que disse que jogou em algum lugar nas proximidades”, acrescentou o xerife.

O massacre aconteceu na segunda-feira.

O garoto sob custódia não foi identificado e não há nenhuma explicação imediata sobre o motivo para os assassinatos.

A violência armada é uma característica predominante na vida americana, com mais de 36.000 mortes por ano – pelo menos um terço delas é homicídio – de acordo com estatísticas compiladas pelo Giffords Law Center

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Presidente do Irã anuncia reativação de central nuclear e EUA acende sinal de alerta

País está descumprindo os termos do acordo para pressionar EUA

Publicado

em

Por

O presidente do Irã, Hassan Rohani, anunciou nesta terça-feira (5) que o país retomará amanhã o enriquecimento de urânio na sua central atômica de Fordo, que fica a 180 km da capital Teerã.
Trata-se de mais um passo do Irã que descumpre os termos do acordo nuclear de 2015, assinado com o chamado grupo “5+1”, formado por Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha.
O gesto vem após o fim de mais um ultimato aos parceiros europeus para convencerem os Estados Unidos a retomarem o acordo e retirarem as sanções contra o Irã.

Assinado na gestão de Barack Obama, o acordo nuclear com o Irã foi duramente criticado pelo sucessor, o atual presidente Donald Trump. No ano passado, Trump decidiu retirar de maneira unilateral os EUA do tratado, que colocava limites ao enriquecimento de urânico pelo Irã, em troca da retirada das sanções internacionais. De acordo com Rohani, o Irã iniciará a produção de urânio enriquecido nas 1.044 centrífugas do tipo IR-1 em Fordo, unidade que estava inativa desde 2015.

“A partir de amanhã, começaremos a injetar gás (urânio em estado gasoso) em Fordo”, informou o presidente, em referência ao procedimento para produzir urânio enriquecido em isótopo 235.

“Todas as ações que o Irã tomará estarão sob a supervisão da Organização Internacional de Energia Atômica (AIEA) e, como as anteriores, essa decisão é reversível”, garantiu. Ontem, o líder da Organização para Energia Atômica de Teerã, Ali Akbar Salehi, tinha informado que o Irã estava operando 60 centrífugas avançadas IR-6 para enriquecimento de urânio.

As centrífugas IR-6 podem produzir urânio enriquecido a uma velocidade 10 vezes superior ao modelo IR-1, de primeira geração.

A Rússia disse considerar como “preocupantes” os planos do Irã, pois um colapso do acordo nuclear não gera “nada de bom”. A União Europeia adotou o mesmo tom: “Estamos preocupados com o anúncio do presidente Rohani”, admitiu a porta-voz da Comissão Europeia.

Continue Lendo

Mundo

Trump não atende pedido de Bolsonaro e veta carne bovina brasileira

Estados Unidos mantêm veto à carne bovina do Brasi Decisão frustra o governo, que esperava fim do mebargo após pedido de Bolsonaro ao presidente americano Donald Trump

Publicado

em

Por

Dois anos após fecharem o mercado para a carne bovina do Brasil, as autoridades sanitárias dos Estados Unidos não se convenceram que o produto está de acordo com as normas exigidas por aquele país e optaram por adiar por mais tempo uma decisão. A manutenção do veto frustrou o governo brasileiro, que esperava o fim do embargo ainda este ano.
O fim da restrição à carne bovina brasileira foi pedido pelo presidente Jair Bolsonaro, em março último, durante um encontro, em Washington, com o presidente Donald Trump. Meses depois, uma missão de técnicos americanos visitou frigoríficos brasileiros, mas eles não ficaram satisfeitos com os resultados e pediram informações adicionais. Uma nova missão virá ao Brasil.

Continue Lendo