Conecte-se conosco

Mundo

NASA emite alerta que mega asteroide na direção da Terra tem chegada prevista para dia 3 de Outubro

Desvio na rota pode fazer com que asteroide colide com o planeta terra: o que poderia significar o fim da espécie humana. No momento não há risco de colisão.

Publicado

em

O setor de rastreamento da NASA informou que um asteroide de 340m de diâmetro e 55 milhões de toneladas está a caminho da Terra, com chegada prevista para 3 de outubro. O risco de cataclismo é baixo, mas caso o asteroide saia de sua rota e entre no planeta, sua força destrutiva será igual a 2.700 megaton — para se ter ideia, a bomba de Hiroshima tinha entre 13 e 18 quiloton.

Chamado de FT3, o asteroide será o primeiro de 165 aproximações esperadas pela NASA entre 2019 e 2116. Com o tempo será possível determinar se as possibilidades de colisão irão aumentar ou diminuir. Caso entrasse na atmosfera terrestre, o FT3 ganharia uma velocidade de 45.500 km/h.

O asteroide é uma rocha espacial que circunda o Sol dentro do cinturão entre Marte e Júpiter. A NASA vem monitorando sua rota desde 2007 e diz que há 99,9999908% de chances dele não acertar à Terra.

Potencialmente, no caso da mudança de rota dias antes de uma suposta colisão, pouco poderia ser feito. “Um asteroide em uma trajetória de impacto na Terra não poderia ser abatido nos últimos minutos ou mesmo horas antes do impacto”, afirma a agência.

Basta esperar e torcer para que o FT3 siga seu curso normal.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Presidente do Irã anuncia reativação de central nuclear e EUA acende sinal de alerta

País está descumprindo os termos do acordo para pressionar EUA

Publicado

em

Por

O presidente do Irã, Hassan Rohani, anunciou nesta terça-feira (5) que o país retomará amanhã o enriquecimento de urânio na sua central atômica de Fordo, que fica a 180 km da capital Teerã.
Trata-se de mais um passo do Irã que descumpre os termos do acordo nuclear de 2015, assinado com o chamado grupo “5+1”, formado por Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha.
O gesto vem após o fim de mais um ultimato aos parceiros europeus para convencerem os Estados Unidos a retomarem o acordo e retirarem as sanções contra o Irã.

Assinado na gestão de Barack Obama, o acordo nuclear com o Irã foi duramente criticado pelo sucessor, o atual presidente Donald Trump. No ano passado, Trump decidiu retirar de maneira unilateral os EUA do tratado, que colocava limites ao enriquecimento de urânico pelo Irã, em troca da retirada das sanções internacionais. De acordo com Rohani, o Irã iniciará a produção de urânio enriquecido nas 1.044 centrífugas do tipo IR-1 em Fordo, unidade que estava inativa desde 2015.

“A partir de amanhã, começaremos a injetar gás (urânio em estado gasoso) em Fordo”, informou o presidente, em referência ao procedimento para produzir urânio enriquecido em isótopo 235.

“Todas as ações que o Irã tomará estarão sob a supervisão da Organização Internacional de Energia Atômica (AIEA) e, como as anteriores, essa decisão é reversível”, garantiu. Ontem, o líder da Organização para Energia Atômica de Teerã, Ali Akbar Salehi, tinha informado que o Irã estava operando 60 centrífugas avançadas IR-6 para enriquecimento de urânio.

As centrífugas IR-6 podem produzir urânio enriquecido a uma velocidade 10 vezes superior ao modelo IR-1, de primeira geração.

A Rússia disse considerar como “preocupantes” os planos do Irã, pois um colapso do acordo nuclear não gera “nada de bom”. A União Europeia adotou o mesmo tom: “Estamos preocupados com o anúncio do presidente Rohani”, admitiu a porta-voz da Comissão Europeia.

Continue Lendo

Mundo

Trump não atende pedido de Bolsonaro e veta carne bovina brasileira

Estados Unidos mantêm veto à carne bovina do Brasi Decisão frustra o governo, que esperava fim do mebargo após pedido de Bolsonaro ao presidente americano Donald Trump

Publicado

em

Por

Dois anos após fecharem o mercado para a carne bovina do Brasil, as autoridades sanitárias dos Estados Unidos não se convenceram que o produto está de acordo com as normas exigidas por aquele país e optaram por adiar por mais tempo uma decisão. A manutenção do veto frustrou o governo brasileiro, que esperava o fim do embargo ainda este ano.
O fim da restrição à carne bovina brasileira foi pedido pelo presidente Jair Bolsonaro, em março último, durante um encontro, em Washington, com o presidente Donald Trump. Meses depois, uma missão de técnicos americanos visitou frigoríficos brasileiros, mas eles não ficaram satisfeitos com os resultados e pediram informações adicionais. Uma nova missão virá ao Brasil.

Continue Lendo