Conecte-se conosco

Brasil

O que você precisa saber para começar a segunda-feira

Publicado

em

O vereador Carlos Bolsonaro pode ser convocado a depor na CPMI das Fake News, admite presidente da comissão; viúva de miliciano morto na Bahia é considerada peça-chave para elucidar últimos dias do ex-militar; TV Record é multada em R$ 2 milhões por pintar arte rupestre de branco para gravar minissérie em Minas.

Confira o que você precisa saber para começar a segunda-feira (17):

Carlos Bolsonaro na CPMI das Fake News
O presidente da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News, senador Ângelo Coronel (PSD-BA), afirmou que, para a próxima terça-feira (18), tentará pautar 80 requerimentos pendentes de avaliação, entre eles os que pedem a convocação do vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) e dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff (ambos, do PT).

Golpe no WhatsApp avança
Um dos principais destaques entre os golpes de WhatsApp clonado em janeiro deste ano foi o da festa falsa, através do qual os hackers se passam por assessores de celebridades para tentar roubar dados de famosos e de seus conhecidos por meio de falsos convites para festas VIPs. O alerta é da empresa de segurança virtual DFNDR Lab.

Record é multada em R$ 2 mi
A pintura de branco de uma arte pré-histórica preservada durante séculos em uma parede na cidade de Diamantina, em Minas Gerais, gerou uma multa de R$ 2 milhões à TV Record. A destruição ocorreu a fim de que a emissora pudesse compor o cenário de sua minissérie bíblica Rei Davi. Passados quase dez anos após a gravação de uma das minisséries que se tornaram um filão de sucesso na teledramaturgia e o segredo da emissora para alavancar a audiência, ela foi condenada em segunda instância ao pagamento da multa face ao uso de tinta para cobrir uma parede com arte rupestre.

Sucessão municipal em SP
A menos de oito meses da eleição municipal, poucos partidos anunciaram seus candidatos para o pleito de outubro em São Paulo. Os principais campos políticos que orbitam em torno de Jair Bolsonaro (sem partido), Lula (PT) e João Doria (PSDB) seguem permeados por indefinições. A força eleitoral que despontou em 2018 com Bolsonaro ainda não tem representante em solo paulistano. Até agora, o postulante com mais chance de receber o apoio do presidente é José Luiz Datena. O apresentador da TV Bandeirantes, no entanto, avalia se quer ser candidato em 2020 –ele já ensaiou candidatura em anos passados e desistiu.

Cobrança por bagagem não reduz preço das passagens
A cobrança de bagagens pelas companhias aéreas deve voltar em breve a ser alvo de pressão contrária do Congresso. Cinco meses após o parlamento ter chancelado a cobrança em voos domésticos, alguns parlamentares querem rever a situação sob a justificativa de que o mercado doméstico está concentrado em apenas três empresas, sem que nenhuma nova companhia de baixo custo, as chamadas “low cost”, esteja operando rotas internas. Dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que o valor dos bilhetes aéreos subiu 8% em 2019.

Viúva de miliciano: peça-chave
Viúva do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, Júlia Emília Mello Lotufo, de 28 anos, que já ocupou cargos na Assembleia Legislativa do Rio, no governo do Estado e na prefeitura é considerada peça-chave para esclarecer como o ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) ficou foragido por um ano, mantendo uma vida de luxo. Júlia é suspeita de levar para o marido o dinheiro da contravenção e da milícia de Rio das Pedras, que o manteve tanto tempo longe do radar da Polícia Civil. Mas foi ao monitorá-la que os investigadores chegaram a Esplanada, na Bahia, onde o bandido acabou sendo morto por policiais militares.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Ministros do TSE discutem adiar eleições para fim do ano, mas descartam prorrogar mandatos

Publicado

em

Por

Continue Lendo

Brasil

Bolsonaro diz que governadores que pregam isolamento têm ‘medinho’ do vírus

Publicado

em

Por

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar governadores que defendem políticas de distanciamento social para evitar a disseminação do novo coronavírus. Bolsonaro disse hoje duvidar que eles sairiam às ruas, como o presidente fez, porque têm “medinho” da covid-19, que já matou quase 300 pessoas no Brasil.

“Eu fui em Ceilândia e Taguatinga no fim de semana passado e fui massacrado pela mídia. Duvido que um governador desses, Doria [João, de SP], Moisés [Carlos, de SC], vá no meio do povo. Vai nada. ‘Tá’ com medinho de pegar vírus?”, desafiou o presidente em conversa com pastores em frente ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro também disse querer que o povo volte a trabalhar, reforçando que “vai morrer gente”, sim, mas que não tem como fugir da pandemia. “Não pode deixar de trabalhar. Vamos cuidar dos idosos — você cuida do seu pai, eu cuido da minha mãe, que está viva. Por quê? A segunda onda que vem em função do desemprego vai ser terrível”, disse.

Ele também voltou a duvidar das justificativas que levaram países em todo o mundo a adotar medidas de distanciamento social. Como já explicaram a OMS (Organização Mundial da Saúde) e o próprio Ministério da Saúde, o isolamento é importante para segurar a expansão da epidemia e, assim, evitar o colapso dos hospitais.

Continue Lendo