Conecte-se conosco

Estado

Teatro de Pirenópolis receberá do governo e Iphan mais de R$ 6 milhões pra restauração

Publicado

em

Ronaldo Caiado classificou o recurso – o terceiro alcançado junto ao Instituto para Goiás – como um “presente ímpar” para o Estado, dada a importância do Teatro Sebastião Pompeu de Pina para o povo pirenopolino e goiano

O governador Ronaldo Caiado firmou mais uma parceria em prol da preservação do patrimônio goiano. Em reunião na tarde desta segunda-feira (19/8) na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília, foi anunciado um recurso de R$ 6 milhões para a restauração e requalificação do Teatro Sebastião Pompeu de Pina, em Pirenópolis. “Estamos dando uma resposta ao povo pirenopolino e goiano. Amamos nosso patrimônio histórico e estamos lutando cada vez mais para recuperá-lo”, afirmou o governador. Desde o início de sua gestão, Caiado tem articulado, em em Brasília e em Goiânia, recursos para serem investidos na recuperação e conservação de prédios históricos do Estado.

Diretor de Patrimônio Material do Iphan, Andrey Schlee garantiu que o recurso já “está comprometido e destinado para a recuperação do prédio”. O aviso de licitação para as obras foi publicado no Diário Oficial da União na edição de sexta-feira (16/8). “A diretoria do Iphan se sensibilizou para a demanda. Fizemos um esforço grande da questão orçamentária para apoiar a iniciativa. Hoje a licitação já está na rua, ou seja, o dinheiro já está comprometido e destinado para a recuperação do teatro”, explicou.

Essa parceria do Governo de Goiás com o Iphan vai resolver um drama antigo enfrentado pelo prédio histórico, que está interditado desde 2016 e acabou sendo escorado no ano seguinte. Caiado agradeceu a sensibilidade do Iphan, lembrando que diante da atual crise fiscal do Estado, com recursos próprios só seria possível realizar uma interferência de salvamento da estrutura. “O teatro está caindo”, relatou o governador, apontando o descaso da gestão anterior com o patrimônio.

Agora, com o recurso liberado pelo Iphan, o Teatro de Pirenópolis será inteiramente requalificado. As interferências serão realizadas não só na estrutura, como nos equipamentos necessários para o pleno funcionamento do local, como ar condicionado, poltronas e demais mobiliários, equipamentos de som e de iluminação. Caiado avaliou que a obra fará do Teatro de Pirenópolis o melhor teatro do interior do Estado de Goiás.

Superintendente do Iphan em Goiás, Salma Saddi lamentou o fato de o Teatro Sebastião Pompeu de Pina ter sido restaurado anteriormente, mas não ter recebido a manutenção necessária. A partir de uma demanda encaminhada pelo governador, disse, buscou uma interferência junto ao Iphan nacional. “É a saída melhor possível. Vamos executar um excelente projeto”, garantiu.

A partir de agora, cuidar e preservar são palavras-chave. Uma das preocupações do Governo de Goiás é a conservação dos bens recuperados. O governador Ronaldo Caiado determinou que a Secretaria de Cultura de Goiás, por meio da Superintendência de Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico, cuide da preservação dos prédios restaurados e da fiscalização dos bens tombados. “É inadmissível que um bem histórico recuperado esteja sob risco”, disse.

Também participaram da reunião na sede do Iphan o diretor de Patrimônio Imaterial, Hermano Queiroz; o diretor de Departamento de Projetos Especiais, Robson Almeida; e o diretor do Departamento Cooperação e Fomento, Marcelo Brito.

*Trabalho conjunto*
A parceria entre Iphan nacional, Iphan de Goiás e Governo do Estado se intensificou neste ano. Em abril, o Instituto anunciou a liberação de recurso de R$ 7 milhões para a recuperação do prédio da antiga Chefatura de Polícia, localizado na Praça Pedro Ludovico Teixeira, mais conhecida como Praça Cívica. O edifício, que é tombado pelo Iphan e protegido no âmbito estadual pelo Decreto nº 4.943, está fechado desde 2015 devido ao comprometimento de sua estrutura.

Logo depois, durante a celebração da Semana Santa na cidade de Goiás, o governador anunciou outra parceria com o Iphan, que liberou outros R$ 7,5 milhões para a recuperação do prédio da primeira sede da Polícia Militar do Estado de Goiás, na antiga Vila Boa. No local funciona o 6º Batalhão da Polícia Militar (BPM). Construída no século XIX, a edificação é feita com taipa, adobe e pau a pique e funcionou como sede do Comando da PM até 1936.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Já esgotou todo e qualquer tipo de negociação com a Enel”, diz Caiado

Governador destaca que empresa tem provocado diversos prejuízos no Estado e não cumpre acordo assinado. Deputados estaduais também criticam inércia, destacando que produtores ficam sem energia por até 11 di

Publicado

em

Por

O governador Ronaldo Caiado voltou a criticar a qualidade do serviço prestado pela Enel, que não cumpre o plano de medidas que foi acordado para atender os consumidores goianos e tem causado prejuízos em todo o Estado por conta da falta de energia.

O governador destacou que irá “enfrentar o problema de frente”. “Vocês podem ter certeza, nós estamos aqui é para defender o Estado de Goiás”, afirmou. As queixas também partiram de deputados estaduais na Assembleia Legislativa, que compararam a empresa a um câncer.

O sentimento de má prestação de serviço da Enel é geral. Até outubro de 2019, o Procon Goiás registrou aumento de quase 50% no número de reclamações contra a empresa. De acordo com Caiado, todos estão sofrendo com o problema. “É o produtor rural, o cidadão urbano, empresas pequenas, de médio e grande porte. Todo mundo está sofrendo duramente”, lembrou o governador. “A falta de energia é generalizada. Todo mundo está jogando mercadoria fora”, completou

Por conta dessa situação, o chefe do Executivo disse que pediu ajuda ao presidente Jair Bolsonaro, já que o setor elétrico é regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “Já esgotou todo e qualquer tipo de negociação do Estado com a Enel. Não tem mais como mantermos essa situação. Eles assinaram um documento conosco, com a presença do ministro [de Minas e Energia, Bento Albuquerque], e do presidente da Câmara, [Rodrigo Maia]. Todos os diretores de alto escalão da América Latina falando pela empresa e depois nada acontece. O processo agravou ainda mais do que era”, protestou.

O governador se refere ao plano de investimento e acordo que foi assinado em agosto deste ano, em que Enel se comprometeu a ampliar a capacidade da rede e distribuição de energia. Uma das principais ações da Enel, de curto prazo, previa a liberação de carga e possibilidade de novas ligações sem a troca de transformadores. Além disso, o documento estabeleceu a construção e ampliação de várias subestações de energia por todo o Estado. Mas, até agora o que se vê são reclamações de todos os lados. A falta de energia em alguns casos ultrapassa o prazo de uma semana, provocado prejuízo para produtores, consumidores em geral e empresários.

Um dos danos que podem ocorrer por conta da inércia da Enel, ressaltou Caiado, é com relação a vacinação contra a febre aftosa. Isso porque se as doses não forem mantidas em temperatura ideal, a imunização do rebanho não surte efeito, por conta da qualidade da vacina. “Veja bem o risco que corremos, a maneira irresponsável com que a energia elétrica está sendo tratada. Nós vamos enfrentar esse problema de frente. Vocês podem ter certeza: nós estamos aqui é para defender o Estado de Goiás”, sublinhou Ronaldo Caiado.

As queixas da Enel também vêm de representantes na Assembleia Legislativa. O deputado Amauri Ribeiro disse que produtores rurais de Piracanjuba, Caçu e Palminópolis, sem energia, estão tendo prejuízos. “Tem gente que chega a ficar 11 dias sem energia. São perdas diversas na produção de carnes, verduras, leites e outros produtos apodrecendo. Empresários e produtores rurais querem investir, gerar emprego e renda, mas não recebem a energia elétrica”, afirmou.

O deputado Alysson Lima disse que a “Enel é um câncer que tem que ser extirpado de Goiás. Chegamos ao ponto que não dá mais para conversar”. O parlamentar afirmou que representantes da Enel tentaram se reunir a portas fechadas na Alego, mas ele não recebeu ninguém. “A Enel vai perder espaço em Goiás”, prevê.

Humberto Aidar comparou a atuação da Enel em Goiás como um matrimônio malsucedido. “É um casamento que já se tentou de tudo, mas não dá certo. Não vejo outro caminho a não ser a intervenção. Romper esse contrato e buscar outra companhia”, afirmou o deputado, ressaltando que a empresa não cumpre o contratado e não tem seriedade.

O parlamentar Henrique Arantes disse que a Enel cobra taxas abusivas e prejudica os produtores rurais. Ele também criticou o programa Luz Solidária, da empresa, que permite aos interessados trocar equipamentos antigos por modelos novos, com o objetivo de economizar energia elétrica. “Eles inflacionam o preço do novo, então, no fim, não tem economia nenhuma. O que a Enel faz é uma fraude com o consumidor goiano, ela vende tudo pela metade do dobro”, destacou.

Fonte: Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás

Continue Lendo

Estado

Santos bate Goiás no Serra Dourada por 3×0 e estaciona Verdão da Serrinha no BR-19

Goiás volta a campo dia 18 contra o Vasco em São Januário

Publicado

em

Por

O Santos não teve dificuldades para vencer o Goiás, por 3 a 0, na tarde deste sábado, no Serra Dourada, e chegar ao quarto triunfo consecutivo no Campeonato Brasileiro. O venezuelano Soteldo, duas vezes, e Marinho fizeram os gols da partida. O Peixe não perde há cinco jogos na competição. A última vez foi em 20 de outubro, quando levou 2 a 0 do Atlético-MG. Depois, empatou com o Corinthians (0 a 0) e venceu Bahia (1 a 0), Botafogo (4 a 1) e Avaí (2 a 1).

Esse resultado fez com que o Santos chegasse a 64 pontos no Brasileiro — está em terceiro lugar —, enquanto o Goiás fica com 42. A próxima partida do Peixe será o clássico com o São Paulo, no próximo sábado, dia 16, às 17 horas, na Vila Belmiro. Já o time esmeraldino voltará a campo no dia 18, segunda-feira, às 19h30, quando visitará o Vasco em São Januário.

Continue Lendo